quarta-feira, 31 de outubro de 2012

MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA (MGF)


A luta contra a Mutilação Genital Feminina (MGF) é, tem de ser, uma urgência a nível mundial. Das organizações e de todos nós. E, de facto, desde organismos da ONU até a designada Sociedade Civil, multiplicam-se as  tomadas de posição e as acções  para se pôr fim a esta barbárie. Por exemplo:
 - E há o Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina - «6 de Fevereiro foi a data internacionalmente consagrada como Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina, em 2003, pela Organização das Nações Unidas, com o objetivo de denunciar a prática, existente em cerca de 28 países africanos e do Médio Oriente, bem como na Ásia e em comunidades migrantes na Europa, América do Norte e Austrália»
- E temos a «Eliminação da mutilação genital feminina : declaração conjunta» - imagema acima -   podendo ver o Documento aqui. 
Também a CIG, naturalmente,  tem o problema na sua agenda,  e é tema da  Noticias:  

Aliás, foi a sua leitura  que nos levou a trazer esta questão para o nosso blogue com este desenvolvimento e que pode ler aqui. No Editorial a  Secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Teresa Morais, escreve (sublinhado nosso):
«(...) Herdeiro de uma geração de Planos Nacionais, o
IV Plano Nacional para a Igualdade de Género, Cidadania e Não Discriminação, o IV Plano Nacional contra a Violência Doméstica, e do II Plano Nacional Contra o Tráfico de Seres Humanos aprovados e em vigor desde o inicio de 2011, o Governo, na sequência da reflexão critica que publicamente fez sobre os mesmos, optou pela continuidade na execução do essencial das medidas previstas nesses Planos, opção que tem concretizado a cada dia da sua governação. Dada a grande diversidade de medidas, porventura excessiva, contidas nos Planos foi julgada necessária uma focalização em determinadas áreas, consideradas prioritárias: o reforço da prevenção e do combate à violência doméstica e de género; a intensificação da intervenção no domínio do combate à mutilação genital feminina, já que essa intervenção foi superficial nos últimos anos, apesar da existência de um Programa de Ação; a atenção especial à situação das mulheres no mercado de trabalho, ainda mais necessária nestes tempos difíceis em que a crise económica acaba por ter um maior impacto sobre as mulheres; a promoção de um melhor conhecimento e de um combate mais ficaz ao fenómeno do assédio sexual; e ainda, no domínio da luta contra o tráfico de seres humanos, a melhoria do conhecimento do fenómeno, apurando os mecanismos de sinalização das vítimas e a segurança e fiabilidade das estatísticas produzidas. (...)».
O dossiê da Notícias é tão completo que para saber mais começamos por recomendar a sua leitura, e seguir os muitos endereços que fornece. Além disso, há a demais informação disponível no site da CIG. 
Assim, talvez, apenas chamar a atenção para a Abertura de Candidaturas ao Prémio Contra a MGF - Mudar agora o Futuro.


«Este prémio é uma iniciativa da Comissão para Cidadania e Igualdade de Género (CIG), no âmbito do IV Plano Nacional para a Igualdade, Género, Cidadania e Não Discriminação, 2011-2013, e do II Programa de Ação para a Eliminação da Mutilação Genital Feminina. O prémio, de natureza pecuniária, tem como objetivo distinguir os 3 melhores projetos destinados à eliminação da mutilação genital feminina a implementar por associações sem fins lucrativos, que tenham inscrito no seu objeto ou denominação social a promoção dos direitos e interesses específicos de imigrantes». Regulamento. Critérios de Avaliação. Avaliação.

E para terminar um dos muitos videos que podem ser vistos na internet sobre esta problemática:


terça-feira, 30 de outubro de 2012

«EDIFICAÇÃO DA CIDADANIA»




A Clara Oliveira alertou-nos para a  6ª edição do Dia da Consulta Jurídica Gratuita, uma iniciativa da Ordem dos Advogados, com o Alto Patrocínio do Senhor Presidente da República, assim apresentada:
No próximo dia 8 de Novembro, o Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados e as Delegações realizam a 6ª Edição do Dia da Consulta Jurídica Gratuita e convidam todos os Colegas Advogados e Advogados Estagiários a participarem  activamente nesta iniciativa,  contribuindo, assim, para a promoção do  Acesso ao Direito e para a  Edificação da Cidadania pelo conhecimento dos direitos de cada um. Esta iniciativa mereceu, pelo sexto ano, o Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República.
O Dia da Consulta Jurídica Gratuita tem como missão proporcionar o acesso ao direito através da informação e consulta jurídica a todos os cidadãos, independentemente da sua condição económica ou social. No âmbito da advocacia preventiva, o acesso à informação permite aos cidadãos salvaguardarem-se prevenindo situações de conflitos e evitando problemas judiciais.
Num contexto de crise social e económica, que afecta milhares de portugueses e abala a sociedade, o Dia da Consulta Jurídica Gratuita traduz-se num apoio efectivo fundamental aos Cidadãos, especialmente, aos mais carenciados, respondendo a questões de carácter jurídico. Desde o seu início, que remonta ao ano de 2006,  o Dia da Consulta Jurídica Gratuita tem revelado  ser uma iniciativa de grande mérito, e merecido uma forte adesão dos Advogados e Advogados Estagiários que, de modo empenhado e gratuito, prestam consulta jurídica e informação jurídica a milhares de Cidadãos.
Em pormenor, O Dia da Consulta Jurídica Gratuita realiza-se no próximo dia 8 de Novembro, em Lisboa, e, também, na Amadora, Cascais, Almada/Laranjeiro, Loures, Mafra, Sesimbra, Sintra e Vila Franca de Xira, decorrendo, ininterruptamente, entre as 10h00 e as 17h0.
Saiba mais no site da Ordem dos Advogados.  E foram muitos os que se associaram à iniciativa:

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

RANKING SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO


Segundo o ranking anual elaborado pelo Fórum Econômico Mundial (WEF , na sigla em inglês),  Portugal ocupa a 47.ª  posição. Caimos 12 lugares. A notícia no jornal Público:
“Portugal apresenta uma queda de 12 posições sobretudo devido a uma quebra no rácio da educação primária e terciária, bem como na percentagem de mulheres em posições ministeriais (31% em 2011 e 18% em 2012)”, lê-se no documento apresentado na quarta-feira nos Estados Unidos e que conta com dados de 135 países.
O resultado deste relatório é, aliás, o pior desde 2006 – primeiro ano em que o documento foi publicado e em que o país ficou em 33.º lugar. Em 2007 caiu para 37.º, em 2008 para 39.º e em 2009 para 46.º Em 2010, Portugal conseguiu melhorar e subir para a 32.ª posição, mas no ano passado já voltou a perder em algumas categorias e voltou para 35.º.
Os dados surgem no mesmo dia em que a eurodeputada socialista Edite Estrela lamentou o adiamento, por parte da Comissão Europeia, na terça-feira, da proposta para criar uma quota de 40% de mulheres nos cargos não executivos dos conselhos de administração das empresas europeias, considerando que revela a existência de "preconceito". Contudo, a comissão prometeu voltar ao assunto ainda em Novembro.
Além da posição, o relatório atribui também um índice a cada país que varia entre zero e um (onde um representa a igualdade total) e no qual Portugal conseguiu um score de 0,7071. Para este valor contribui a avaliação feita pelo documento em várias áreas, nomeadamente oportunidades e participação económica, em que o país fica em 55.º lugar. Em termos de educação desce também para 57.ª posição e no campo da sobrevivência e saúde para a 83.ª. A área da participação política é, ainda assim, aquela em que o país tem melhor posição, com um 43.º lugar».
Continue aqui. Em sentido contrário ao do nosso País, o Brasil melhorou 20 posições.


domingo, 28 de outubro de 2012

EM LUGARES DE DIREÇÃO - CULTURA E ARTES Suzanne Cotter vai ser a nova diretora de Serralves


Ainda se justifica que seja notícia também pelo facto de ser mulher e por isso demos destaque devido: «Suzanne Cotter, curadora de 50 anos nascida em Melbourne, na Austrália, com dupla nacionalidade australiana e britânica e actualmente sediada em Nova Iorque, vai ser a nova directora do Museu de Arte Contemporânea de Serralves (MACS». Mas saiba mais sobre a futura Diretora de Serralves através da notícia do Público online de há umas semanas atrás. E com este post queremos iniciar, de uma maneira mais direcionada,  como que um secção onde vamos dar espaço a mulheres que estão em lugares de direção em Organizações de Cultura e Artes, e deste modo ir de encontro a problemática que está na ordem do dia. Por exemplo na União Europeia.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

MULHERES EM DESTAQUE - Ana Teresa Pereira


A escritora Ana Teresa Pereira conquistou o Grande Prémio de Romance e Novela, com o romance O Lago, anunciou na última quarta-feira a Associação Portuguesa de Escritores (APE).
«(...)


Para o poeta e ensaísta Manuel Gusmão, este prémio, ao mesmo tempo que valoriza a qualidade deste romance em particular, é também o reconhecimento da importância “da obra de Ana Teresa Pereira como um todo”. Gusmão lembra que a autora vem publicando, desde o final dos anos 80, “quase um livro por ano”, e salienta o seu “universo muito pessoal, marcado pelos sucessivos “desdobramentos das suas personagens” e por um constante “jogo com o teatro e com o cinema”. Em
O Lago, diz Gusmão, o habitual clima de mistério dos livros de Ana Teresa Pereira “adensa-se até à inquietação e à ameaça”. Numa nota de congratulação pelo prémio agora atribuído a Ana Teresa Pereira, a Relógio D’Água, editora de O Lago e de boa parte dos livros da autora, recorda que a sua obra foi “elogiada por críticos como Eduardo Prado Coelho, António Guerreiro e Manuel de Freitas” e que, além de ter recebido vários prémios literários, tem sido traduzida em castelhano e italiano. No entanto, sendo verdade que esta obra, inaugurada em 1989, teve sempre admiradores rendidos e algum reconhecimento crítico, nem por isso Ana Teresa reira deixa de ser, entre os grandes ficcionistas portugueses de hoje, uma das autoras mais discretas, para não dizer secretas, e mais difíceis de catalogar. (...)» -  in jornal Público, edição impressa.

E da biografia de Ana teresa Pereira: «Nasceu em 1958 no Funchal, onde vive. Ainda estudante e guia intérprete, viu publicado em 1989 o seu primeiro livro, Matar a Imagem, com o qual ganhou o Prémio Caminho Policial. Em 1990 na colecção Campo da Palavra publicou o romance As Personagens. Estreou-se na literatura infantil com A Casa da Areia e A Casa dos Penhascos, dando assim início a uma nova colecção para jovens. Desde o seu primeiro livro tem vindo a publicar regularmente. A singularidade da sua temática e a concisão da sua escrita dão a Ana Teresa Pereira um lugar próprio na literatura portuguesa actual». E pode saber mais sobre a escritora na Base de Dados de Autores Portugueses do ex-IPLB.
E sobre a obra premiada, recorrendo ao site da Relógio D´ Água: Sobre O Lago, Manuel de Freitas escreveu no Atual, de 28 de Janeiro: «Aos que pudessem achar que a escrita da autora se estava a enredar de modo quase previsível nas suas próprias obsessões, O Lago vem provar que não é exatamente assim. O deserto cresce, confundindo-se com a neve, e a trama deste livro resume-se ao encontro entre um dramaturgo/autor e uma “dançarina ferida” que, ao tornar-se atriz e amante do primeiro, se coloca à mercê de um deus sinistro, alguém que só podia amar “um ser criado para ele” e que “não separa o palco da vida”.»
E, claro,  do Em Cada Rosto Igualdade, parabéns à premiada. Mais uma mulher que se destaca!

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

IV PLANO NACIONAL PARA A IGUALDADE (5) / Medidas

E convém não perdermos de vista o IV Plano Nacional para a Igualdade - Género, Cidadania e não Discriminação. Assim,  a seguir às áreas estratégicas,  agora  as  Medidas de que vemos exemplos de seguida:


E este post contou, uma vez mais, com a participação da Susana Neves.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

DESPERTAR CONSCIÊNCIAS


Certamente muitos já se deram conta de que o tema central  da revista CAIS  do mês de Outubro é IGUALDADE DE GÉNERO  e que dá também cobertura ao Prémio  de Fotografia REFLEX 2012.



Pois bem, a Mónica Guerreiro apareceu-nos com a revista a alertar-nos para a exposição, ou seja, para a exposição   dos vencedores e finalistas da 6ª edição do REFLEXPrémio de Fotografia CAIS|BES, dedicada precisamente ao tema Igualdade de Género. Depois, a Margarida Silva tratou das imagens.  E aqui chegámos, ao  post alusivo e às coordenadas para uma visita aos sítios onde pode ver as fotografias:

ENTRADA LIVRE
9 a 26 de outubro
Fórum Picoas | Av. Fontes Pereira de Melo, 40, Lisboa
Segunda a sexta das 9h às 19h.

29 de outubro a 11 de novembro
Baixa-Chiado PT Bluestation
Estação de metro Baixa-Chiado, Lisboa

Neste quadro, a um tempo, e em sintese: parece-nos que tudo - projeto CAIS, revista, exposição, ...  - têm propósitos próprios e comuns. E um destes será certamente DESPERTAR CONSCIÊNCIAS, como   bem decorre do lema da revista. E alguns execertos dos trabalhos da  edição aqui em causa que nos parecem querer isso mesmo:

«Só uma corajosa e não-desistente luta contra a pobreza conseguirá alterar o desigual, injusto e obsceno curso da nossa história presente, e devolver a riqueza e beleza a quem há muito deixou de a ter por CASA» - Henrique Pinto

«Ser homem ou mulher não lhes determina o tempo que passam naquele chão que lhes serve de cama, mas sim o amanho do seu desejo em ter uma cama macia e em guardar no bolso a chave de uma casa que é sua» - Maria Pombo

« Diz respeito a todos nós o facto de as mulheres continuarem a estar desproporcionalmente afetadas pela pobreza» - Daniela Velho

Mas compre e leia  a revista, vale por si, do nosso ponto de vista a qualidade é visível, e  se tiver dificuldade em  encontrar  vendedor veja a Rede de Distribuição e Venda. E saiba mais sobre o projeto CAIS na sua globalidade. 

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

A GOVERNAÇÃO LOCAL NO FEMININO


Tal como o post anterior também este é sobre o que se passa lá, no Local. De facto:
Está a decorrer na Biblioteca Municipal de Palmela a exposição "A Governação Local no Feminino: Retratos na sua Diversidade", desenvolvida pelo Projecto do MDM "A Governação Local no Feminino".
Rostos e gestos de mulheres que têm as marcas do trabalho, da acção e da mobilização cultural, artística e política na sua diversidade de expressões. O Projecto do MDM - A Governação Local no Feminino é dirigido às mulheres eleitas que estão nas autarquias, nas direcções das colectividades e associações. Pretende tecer redes de contacto, cooperar com as mulheres, com os seus grupos de arte, grupos de jovens ou idosas, com os grupos de mulheres deficientes, ou de diferentes etnias que residem e trabalham na Península de Setúbal.
 A Exposição pode ser visitada entre as 9 e as 18 horas e estará patente até 3 de Novembro.
 E há o Seminário Internacional "A Governação Local no Feminino - No discurso directo", que terá lugar no próximo dia 24 de Outubro, pelas 14h30, na Biblioteca Municipal de Palmela. O convite.



DIA MUNICIPAL PARA A IGUALDADE - SESSÃO DE TRABALHO


«Para celebrar o Dia Municipal para a Igualdade, a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género vai realizar uma Sessão de trabalho destinada a Conselheiras e Conselheiros Locais para a Igualdade e ao pessoal técnico dos Municípios, membros de ONG representadas nos Conselhos Locais de Ação Social e público interessado em geral, a decorrer no próximo dia 26 de outubro de 2012, entre as 9.30 e as 17 horas, no Auditório dos Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal, sito na Alameda dos Bombeiros Voluntários, n.º 45- 2844-001 Seixal. Muito gostaríamos de contar com a sua presença. As inscrições poderão ser feitas através do preenchimento da folha de registo em anexo, que deverá ser enviada para joao.paiva@cig.gov.pt ou por fax para o número 217 983 099».

Ficha de Inscrição, Programa, Croqui da localização: aqui, no site da CIG. 

domingo, 21 de outubro de 2012

«O PAÍS DAS PESSOAS DE PERNAS PARA O AR»



Entre outros propósitos há um que marca este blogue, o relacionado com a criação de uma «cultura de igualdade» no quotidiano das pessoas, e nesta atmosfera há muito que estava na minha ideia trazer para aqui «O país das pessoas de pernas para o ar». Quando foi publicado pela primeira vez eu já era adulta mas lê-lo foi encantatório. À distancia: é um hino à diferença, ao jogo dos contraditórios, ao nonsense. É, como já muitos disseram, um poema.  É «criatividade e humor invulgares». Mais tarde soube disto:  «O primeiro livro "para" crianças que Manuel António Pina escreveu tinha por título O País das Pessoas de Pernas para o Ar. Foi em 1973 e obrigou-o "a uma conversa com a PIDE, por ter desrespeitado a religião católica". Motivo: a história O Menino Jesus não Quer Ser Deus. O autor contou este episódio na XVIII Conferência de Literatura Infantil da Gulbenkian, altura em que disse também: "Eu sei lá para quem é que escrevo." E assim reforçou a embirração que se lhe conhece com a fórmula "literatura 'para' crianças"». E procurando na internet, no Públco online, pude ler: «Seria esta obra que viria "a estimular muitos autores a entrar no mundo da literatura infantil", disse ao PÚBLICO o escritor Álvaro Magalhães. "Eu próprio não me teria aventurado antes."  (...) Amigos há 30 anos, Álvaro Magalhães chamou-lhe "Navegador solitário" num artigo que escreveu para o Jornal de Letras em 2008 sobre o agora prémio Camões. "Pois bem, os livros ditos infantis do Manuel António Pina são um pouco assim: como se fossem literatura para adultos, mas tão melhores que até as crianças os podem ler." Depois desta obra inicial, seguiram-se outras igualmente inovadoras, como Gigões & Anantes, O Têpluquê, Perguntem aos Vossos Gatos e Cães ou O Inventão. Este último, para Álvaro Magalhães, "um cânone de rigor e invenção verbal, é talvez o melhor livro de sempre da literatura infantil"».
Neste universo, os textos de Manuel António Pina "são sempre poemas". É uma literatura que assenta na materialidade da linguagem, conjugada com humor e nonsense. Um talento ímpar em virar as palavras do avesso (ou de "pernas para o ar")».
«O País das Pessoas de Pernas para o ar» faz parte  do
Plano Nacional de Leitura  e é  recomendado para o 3º ano de escolaridade, destinado a leitura autónoma e leitura com apoio do professor ou dos pais. Está apresentado assim:
«Um país onde as pessoas vivem de pernas para o ar
A vida de um peixinho vermelho que escrevia um livro que a Sara não sabia ler.
Um menino Jesus que não queria ser Deus.
Um bolo que queria ser comido mas que não o foi por causa do pecado da gula.

Em cada história deste livro, que teve a sua primeira edição no já distante ano de 1973, Manuel António Pina, autor de um extenso conjunto de livros para crianças e jovens, supreende-nos e diverte-nos com as narrativas que apresenta».
Infelizmente, foi a morte de Manuel António Pina que nos levou a este post. Mas a sua obra é diversa e não apenas «infantil». Um poema  que muito me toca:
 
 
  
A Poesia Vai Acabar
A poesia vai acabar, os poetas
vão ser colocados em lugares mais úteis.
Por exemplo, observadores de pássaros
(enquanto os pássaros não
acabarem). Esta certeza tive-a hoje ao
entrar numa repartição pública.
Um senhor míope atendia devagar
ao balcão; eu perguntei: «Que fez algum
poeta por este senhor?» E a pergunta
afligiu-me tanto por dentro e por
fora da cabeça que tive que voltar a ler
toda a poesia desde o princípio do mundo.
Uma pergunta numa cabeça.
— Como uma coroa de espinhos:
estão todos a ver onde o autor quer chegar? —


Manuel António Pina, in "Ainda não é o Fim nem o Princípio do Mundo. Calma é Apenas um Pouco Tarde"

E  leia o que o que a ex- DGLB escreveu no passado  18-10-2012:
Manuel António Pina: a morte de um grande homem.
Morreu Manuel António Pina, Prémio Camões 2011, poeta, escritor. Foi colaborador da DGLB durante muitos anos, através das comunidades de leitores que liderava nas Bibliotecas Municipais, integradas no Programa de Itinerâncias de Promoção da Leitura. Deixa saudades aos seus leitores e, em particular, aos seus amigos.
 

APRENDER COM OS PREMIADOS - SEIXAL



SEIXAL  foi um dos municípios distinguidos com O Prémio Viver em Igualdade como divulgamos em post anterior.  E tal como já fizemos com Abrantes vamos agora ver o que se passa no Seixal, recorrendo ao seu site. Desde logo, dão visibilidade ao Prémio escrevendo: O município do Seixal foi distinguido com o prémio Viver em Igualdade, uma iniciativa bienal promovida pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, no âmbito do IV Plano Nacional para a Igualdade, Género, Cidadania e Não-discriminação. Esta é a primeira edição do prémio que pretende distinguir e incentivar os municípios nas boas práticas na área da Igualdade de Género, Cidadania e Não-discriminação, na sua própria organização ou funcionamento, bem como nas atividades por si desenvolvidas.
A cerimónia de entrega do prémio decorre no dia 24 de outubro, em local a anunciar, onde serão distinguidos os municípios vencedores».
E das boas práticas: 
  
A Ação Social Municipal promove o desenvolvimento social local e a cidadania, através de uma intervenção fundamentada em redes e parcerias e combatendo todas as formas de exclusão.
No âmbito das medidas de intervenção social municipal, está disponível um serviço informativo e de encaminhamento, com atendimento técnico e jurídico para todas as pessoas vítimas de violência doméstica.
 A Linha 65 está disponível desde março de 2012 para denunciar maus tratos a pessoas com mais de 60 anos ou em situação de dependência, através do número: 800 208 875. E são áreas de interveção na Ação Social: Cidadãos Idosos; Cidadãos com Deficiência; Crianças e Jovens; Igualdade de Género e Oportunidades. E, por exemplo, nesta última, com mais detalhe:
 
 
Grupo de jovens da Quinta da Princesa
 
«O bairro da Quinta da Princesa possui 40 por cento de imigrantes, maioritariamente cabo-verdianos. Esta comunidade depara-se com algumas problemáticas socioeconómicas a diversos níveis, como o desemprego, trabalho precário, baixos níveis de escolaridade, fraca capacidade económica dos agregados familiares, famílias monoparentais, problemáticas associadas ao tráfico e consumo de estupefacientes, abandono escolar, entre outros.
O Programa Escolhas tem como metas a mobilização das comunidades locais para projetos de inclusão social e de igualdade de oportunidades, especialmente dirigidos a crianças e jovens oriundos de contextos socioeconómicos vulneráveis».
Mas o melhor é mesmo ir lá, ao site, e ver tudo.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

SYLVIA KRISTEL



Sylvia Kristel morreu. Foi uma mulher na altura do  Emmanuelle muito  controversa -  filme a que ficou sempre ligada - mas de quem se dizia que cativava o público feminino:
«(...)
Sylvia Kristel, de 60 anos, começou a sua carreira como modelo, aos 17 anos, tendo ganho em 1973 o concurso Miss TV Europe. No ano seguinte, protagonizou 'Emmanuelle', filme erótico francês, de Just Jaeckin, com música de Pierre Bachelet. O filme foi um sucesso, não só em França mas em todo o mundo, incluindo nos Estados Unidos, com a particularidade de cativar o público feminino». Mais no DN. E aqui.

RISCO DE EXCLUSÃO SOCIAL: FAÇA RENASCER A SUA ROUPA

«(...)
A iniciativa deverá complementar o serviço da cooperativa Roba Amiga, que instalou contêineres em Barcelona para arrecadar as peças do vestuário.
As roupas recolhidas nas casas serão transportadas até uma usina de triagem e reciclagem, onde serão classificadas quanto à conservação e o material utilizado para confeccioná-las. Dependendo do estado em que forem doadas, as roupas podem ser recicladas, doadas e até revendidas.
Além disso, inicialmente, o projeto vai gerar 15 postos de trabalho, oferecidos às pessoas com risco de exclusão social – como cidadãos que vivem em situações de extrema pobreza e dependentes químicos.
No ano passado, os 39 pontos de entrega da Cooperativa Roba Amiga angariaram mais de 1.700 toneladas de roupas usadas em Barcelona. Com o apoio da Prefeitura e da FiT, espera-se que, em 2014, a quantidade de roupa arrecadada aumente em, no mínimo, mais 500 toneladas anuais.
(...)». Mais aqui. E aqui.

GÉNERO E CIDADANIA

 
Sessão de apresentação dos Guiões de Educação Género e Cidadania - 23 de OUTUBRO - Biblioteca Geral da Universidade de Évora - pelas 17:30H. Mais aqui.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL «CONTRIBUTOS PARA UMA PERSPETIVA DE GÉNERO NAS RELAÇÕES LABORAIS: DA AÇÃO INSPETIVA À NEGOCIAÇÃO COLETIVA"



 

TRÁFICO DE SERES HUMANOS


«Por ocasião do Dia Europeu de Combate ao Tráfico de Seres Humanos, o Ministro da Administração Interna, a Ministra da Justiça e a Secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, tem o prazer de convidar V.Exa., para a sessão evocativa que ocorrerá no dia 18 de Outubro pelas 17h30, Centro de Estudos Judiciários, em Lisboa, com a temática “Tráfico de Seres Humanos: da Investigação à Decisão Judicial.

Resposta s.f.f. email:
18-10-2012@cig.gov.pt» Mais no site da CIG.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

MALALA

 
«O post de hoje é dedicado a uma menina/mulher de coragem: a paquistanesa Malala Yousuzfai, de 14 anos. Ela ficou mundialmente conhecida na semana passada, quando foi vítima de uma tentativa de homicídio por parte de um atirador talibã, que disparou contra sua cabeça na van em que ela voltava da escola com colegas. O motivo: Malala defende o direito das meninas muçulmanas de frequentar a escola, com o objetivo de ter uma vida melhor.
A valente paquistanesa, na verdade, não é uma desconhecida no mundo árabe e muçulmano. Há três anos ela mantém uma campanha pelo fim dos ataques talibãs a escolas femininas em países como Paquistão e Afeganistão.
Escrevia um blog para a BBC sobre sua rotina e foi tema até de documentário. Chegou a receber um “Prêmio da Paz” concedido aos jovens pelo governo paquistanês – o mesmo que, de certa forma, contribuiu para o que lhe aconteceu. (...)». (+) 

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

ROKIA TRAORÉ

 
«Rokia Traoré é a mais importante cantora a surgir no Mali e representa uma emancipação feminina e artística: porque ousou pegar numa guitarra quando nenhuma mulher o fazia e teve a audácia de convocar o pop/rock quando nenhum outro maliano o arriscava. Traz-nos a Lisboa o espetáculo Roots, uma homenagem à tradição mandinga e às suas raízes, para voz e cordas (n’goni, kora e bolon), antes de, em 2013, lançar o álbum que sucederá ao premiadíssimo Tchamantché». Vai ser  na Gulbenkian, dia 21, às 19H.
 
 
 

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

LIDER DOS NOVOS TEMPOS: RESGATE DO FEMININO NA VERDADEIRA LIDERANÇA

 
 
 

DIA INTERNACIONAL DA RAPARIGA


Já o dia de ontem estava quase a acabar - dia 11 de outubro -  quando me dei conta de que se comemorava pela primeira vez o DIA INTERNACIONAL DA RAPARIGA. Por isso o video acima que mostra porque deve haver esse dia. E de uma das  notícia sobre o assunto, no jornal SOL:
«(...)
«Hoje é um dia para denunciar a discriminação e chamar a atenção para as dificuldades específicas que as crianças do sexo feminino enfrentam», acrescentou a deputada, salientando que as «meninas têm maior probabilidade de sofrer de má nutrição, estão mais expostas à violência, a casamentos forçados e têm mais dificuldades no acesso à educação e à saúde».
Edite Estrela foi uma das promotoras de uma declaração escrita, aprovada pelo Parlamento Europeu, que exortou as Nações Unidas a proclamarem um dia internacional dedicado às crianças do sexo feminino.
«Há discriminações que as meninas sofrem por serem do género feminino e também por serem crianças», sublinhou Edite Estrela.
No primeiro Dia Internacional da Rapariga, a ONU renova um apelo internacional para que todos os países definam 18 anos como idade mínima de casamento.
Segundo a ONU, cerca de 10 milhões de crianças em todo o mundo casam antes dos 18 anos, muitas vezes com apenas oito anos de idade, numa clara violação dos Direitos das Crianças e mesmo da sua preparação física e psicológica.
Os maridos têm por vezes três ou quatro vezes mais a idade destas raparigas. (...)». A noticia completa. E a imagem que assinalava O DIA INTERNACIONAL DA RAPARIGA  no Status of Women Canada:
 
 
 

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

MULHERES LIVRES


Com os alertas da Clara Oliveira e do Marcelo Gouveia, aqui temos Mulheres Livres que é titulo de livro, da autoria de Maria de Belém Roseira, apresentado recentemente na Livraria FNAC por Leonor Beleza, onde disse:  não é apenas «uma homenagem à liberdade» mas também «uma homenagem à liberdade no feminino», pois fala de «mulheres  que abriram caminhos no seu tempo e pagaram um preço elevadíssimo por isso».  Mas vejamos a sinopse: «Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher a votar em Portugal, obrigou o tempo a andar à frente do seu tempo. Marie Curie, duas vezes Prémio Nobel, tinha nas suas veias a sede do conhecimento. A primeira mulher primeira-ministra do seu país, Benazir Bhutto, representou uma pedra no charco do mundo islâmico. A bailarina e coreógrafa Isadora Duncan e a pintora Frida Kahlo viveram a sua arte em total liberdade. Maria de Lourdes Pintasilgo, contra tudo e contra todos, ascendeu a um lugar nunca antes imaginado ser possível alcançar por uma mulher, o cargo de primeira ministra de Portugal, quebrando tabus instituídos. Eleanor Roosevelt imprimiu o seu nome na História universal. Simone Veil, sobrevivente do Holocausto, marcou a política francesa. Hannah Arendt, a provocadora filósofa política, inquietou mentes humanas. As escritoras vanguardistas Virginia Woolf e Simone de Beauvoir deixaram o seu marco na literatura. Dolores Ibárruri Gómez, La Pasionaria, sacrificou a sua vida em prol da luta por aquilo em que acreditava.
Maria de Belém Roseira conta-nos a história destas mulheres excecionais que, nas mais diferentes áreas, da ciência à literatura, da política à filosofia, lutaram pelos seus ideais, defenderam as suas ideias, ultrapassando com perseverança e resiliência os mais variados obstáculos. Desprenderam-se das amarras que tentavam silenciar a sua voz e calar a sua liberdade e não se deixaram influenciar pela crítica ou pelo preconceito das suas épocas, abrindo espaço ao progresso da sociedade.
Todas com uma coragem e determinação que fazem delas mulheres livres». 
Saiba mais aqui e, por exemplo, também aqui.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

HOMENAGEM A CAROLINA BEATRIZ ÂNGELO



A Assembleia da República, a UMAR e Faces de Eva-CESNOVA organizam uma Sessão de Homenagem a Carolina Beatriz Ângelo: republicana, feminista e pioneira do voto das mulheres.  Amanhã, dia 11 de Outubro, das 10H às 13H, no Salão Nobre do Parlamento. Sobre a homenageada: «
Carolina Beatriz Ângelo: Republicana, feminista e pioneira do voto das mulheres - Primeira mulher a votar na Europa, com exceção da Finlândia, a 28 de maio de 1911, Carolina Beatriz Ângelo (1878-1911) protagonizou um ato referenciado pela imprensa internacional da época, tendo sido entrevistada por jornais nacionais e pelo jornal holandês Amsterdammer Weekblad voor Nederland e saudado por feministas europeias de diversas organizações. Num contexto histórico pouco favorável ao voto feminino, o ato de ousadia de Carolina Beatriz Ângelo, apoiado pela Liga Republicana das Mulheres Portuguesa e pela Associação de Propaganda Feminista, onde se destacaram eminentes republicanas como Ana de Castro Osório, Adelaide Cabete, Maria Veleda e muitas outras, constitui uma referência histórica e política.  A evocação deste facto histórico e a homenagem a Carolina Beatriz Ângelo que agora se realiza no Salão Nobre da  ssembleia da República representa o reconhecimento público e político do valor das lutas feministas no tempo da I República. Nesta realização irão estar historiadoras/es,deputadas/os, representantes de associações de mulheres e cidadãs e cidadãos de diferentes quadrantes políticos numa evocação histórica que também pretende fazer uma reflexão sobre os percursos históricos e sociais das mulheres ao longo dos últimos 100 anos». Mas saiba mais.

«VIVRE ENSEMBLE»

 
 
Com o alerta do Paulo Carretas aqui temos,  em torno da «Discriminação», o Programa Paralelo  ao 13.º Festival do Cinema Francês .  E aproveitemos para sublinhar  a «não discriminação»  no  «IV Plano Nacional para a Igualdade — Género, Cidadania e não Discriminação, 2011 -2013»

terça-feira, 9 de outubro de 2012

COMPOSITORAS PORTUGUESAS

 Está visto, o colega Paulo Carretas continua atento ao PROGRAMA em torno da IGUALDADE que desejamos construir na DGARTES de forma a envolver todos os seus trabalhadores nesta «causa», na linha do Plano Nacional Para a Igualdade. E, naturalmente,  cada um ao seu jeito. De facto, uma vez mais, foi o Paulo  que indicou  esta iniciativa do MIC - Centro de  Investigação & Informação da Música Portuguesa (mas, sem o saber, a Mónica Guerreiro também a identificou e sugeriu, o que só reforça o interesse que lhe atribuimos aqui na «casa»):
COMPOSITORAS PORTUGUESAS "EM FOCO" NO MIC.PT DURANTE O MÊS DE OUTUBRO - Em Outubro a secção "Em Foco" do mic.pt dá destaque às compositoras portuguesas, cuja actividade hoje em dia tem uma influência indelével no meio da nova música em Portugal. Não é uma grande surpresa que existam poucas compositoras portuguesas nascidas antes de 1970. As circunstâncias da vida musical no país até ao século XXI não favoreciam o desenvolvimento de carreiras na composição, pela falta de oportunidades de execução das obras e pela escassez de encomendas. No caso das mulheres, para quem por tradição estavam reservados, numa carreira na música, os papéis de intérprete ou professora, o efeito é ainda mais evidente – e sobre as que perseveraram, quase se pode pensar não apenas em tenacidade mas também em inconformismo. Constança Capdeville, cujo 75.º aniversário celebramos este ano e que nos deixou há 20 anos, junto com Clotilde Rosa, constituem exemplos emblemáticos de liberdade artística e intelectual que traçaram o caminho para as gerações das compositoras portuguesas da actualidade, cuja significante função na vida musical portuguesa hoje em dia (ainda que indevidamente reconhecida) contrasta com a quase ausência duma criação musical no feminino anterior. Este mês o mic.pt na secção "Em Foco" publica um texto da autoria de Manuela Paraíso, que apresenta o perfil da composição feminina portuguesa nos séculos XX e XXI. Veja neste endereço.
E, a pretexto, visitámos o site do MIC, e foi com satisfação que vimos que o  Miso Music Portugal é membro da Fundação Adkins Chiti “Mulheres na Música” que em tempos já tivemos oportunidade de divulgar aqui no Em Cada Rosto Igualdade, escrevendo-se  nomeadamente: «Actualmente a Fundação tem em curso o Projecto WIMUST - Women in Music Uniting Strategies for Talent financiado pelo Programa Cultura da União Europeia e que entre outros objetivos visa a publicação do European Yearbook for Women Composers and Creators of Music». Pois bem, no site do MIC ficámos a saber das «Compositoras portuguesas convidadas a integrar a candidatura da Miso Music Portugal para o projecto WIMUST (Women in Music Uniting Strategies For Talent): Ana Seara; Ângela Lopes; Sofia Sousa Rocha.