quarta-feira, 30 de abril de 2014

UNIVERSIDADE FEMINISTA | Ser famosa é ter o nome nas palavras cruzadas OU Porque o trabalho das mulheres é desvalorizado




LANÇAMENTO «CARTA DE LAMPEDUSA» | Casa da Achada | 2 MAIO | 18:00H





A propósito, sobre LAMPEDUSA: «Ainda era o mês de março quando Francisco, que também é “um filho da imigração”, recebeu uma carta de Stefano Nastasi, pároco em Lampedusa, convidando-o para conhecer a ilha. Com uma linguagem tocante, Nastasi escreveu: “As lágrimas que marcam os rostos das pessoas resgatadas do mar falam de sol e de sal, de arrepios de frio e de fome”. Em seguida, desferiu palavras que não poderiam deixar de despertar o que no coração do Papa parece ser abundante, a compaixão: “Eu gostaria de pensar que as lágrimas dos seus olhos, que fluíram no momento da sua eleição, poderiam se encontrar com as lágrimas de todo homem e de toda mulher que sofrem nos quatro cantos do mundo”.
Passaram-se alguns meses, de muito trabalho, audiências, pronunciamentos e de arrancada em reformas importantes na Cúria Romana, contudo, nada fez o Papa se esquecer do convite e superando as expectativas tornou o mesmo a razão de sua primeira viagem. Assim, Lampedusa que muitos prefeririam ocultar, fazer de conta que não existe, tornou-se um ponto de partida para Francisco». +



terça-feira, 29 de abril de 2014

NO DIA MUNDIAL DA DANÇA | Isadora Duncan




Assinalemos o DIA MUNDIAL DA DANÇA lembrando ISADORA DUNCAN e o filme  sobre a sua vida com VANESSA REDGRAVE. Do que se escreveu:

« TODAY, two weeks after the 1968 Academy Awards were announced, New Yorkers can see the performance that should have won the Oscar for Vanessa Redgrave, one of the three losers among the five women nominated for Best Actress of the Year. It is Miss Redgrave's funny, complex, grandly romantic evocation of the late Isadora Duncan, the high priestess of modern dance, a lady who never wrote of her Art without capitalizing it and who may have been—even with all her lovers, vanities and her muddled philosophy—this century's most innocent, most implacable, most successful American revolutionary». +


CIEG |«Parentalidades:adopção e homoparentalidade» | 29ABRIL | 18:00h | ISCSP-UL




Ciclo “Género em debate”,
Parentalidades: Adoção e Homoparentalidade

Participação de Pedro Vasconcelos e Pedro Costa
dia 29 de abril (3ª feira), pelas 18.00 horas

CIEG - Centro Interdisciplinar de Estudos de Género
Sala 6 do Piso -1 do ISCSP-UL



UE | Igualdade Entre Mulheres e Homens 2010-2015


Disponível aqui.


Recentemente no site da CIG fazia-se referência à Estratégia da União Europeia para o período 2010-2015  e lembrámo-nos que nunca é demais mencionar o que se prevê  até para se acompanhar a sua concretização. Daí este post, a sublinhar  a estratégia para a igualdade entre homens e mulheres na UE. 



segunda-feira, 28 de abril de 2014

VASCO GRAÇA MOURA | «As meninas»






As meninas

as minhas filhas nadam. a mais nova
leva nos braços bóias pequeninas,
a outra dá um salto e põe à prova

o corpo esguio, as longas pernas finas:


entre risadas como serpentinas,
vai como a formosinha numa trova,
salta a pés juntos, dedos nas narinas,
e emerge ao sol que o seu cabelo escova.

a água tem a pele azul-turquesa
e brilhos e salpicos, e mergulham
feitas pura alegria incandescente.

e ficam, de ternura e de surpresa,
nas toalhas de cor em que se embrulham,
ninfinhas sobre a relva, de repente.


in "Antologia dos Sessenta Anos"

 

sexta-feira, 25 de abril de 2014

25 DE ABRIL | REVOLUÇÃO E MULHERES







«7. REVOLUÇÃO

Elas fizeram greves de braços caídos. Elas brigaram em casa para ir ao sindicato e à junta. Elas gritaram à vizinha que era fascista. Elas souberam dizer salário igual e creches e cantinas. Elas vieram para a rua de encarnado. Eles foram pedir para ali uma estrada de alcatrão e canos de água. Elas gritaram muito. Elas encheram as ruas de cravos. Elas disseram à mãe e à sogra que isso era dantes. Elas trouxeram alento e sopa aos quartéis e à rua. Elas foram para as portas de armas com os filhos ao colo. Elas ouviram faltar de uma grande mudança que ia entrar pelas casas. Elas choraram no cais agarradas aos filhos que vinham da guerra. Elas choraram de ver o pai a guerrear com o filho. Elas tiveram medo e foram e não foram. Elas aprenderam a mexer nos livros de contas e nas alfaias das herdades abandonadas. Elas dobraram em quatro um papel que levava dentro urna cruzinha laboriosa. Elas sentaram-se a falar à roda de uma mesa a ver como podia ser sem os patrões. Elas levantaram o braço nas grandes assembleias. Elas costuraram bandeiras e bordaram a fio amarelo pequenas foices e martelos. Elas disseram à mãe, segure-me aqui os cachopos, senhora, que a gente vai de camioneta a Lisboa dizer-lhes como é. Elas vieram dos arrebaldes com o fogão à cabeça ocupar uma parte de casa fechada. Elas estenderam roupa a cantar, com as armas que temos na mão. Elas diziam tu às pessoas com estudos e aos outros homens. Elas iam e não sabiam para aonde, mas que iam. Elas acendem o lume. Elas cortam o pão e aquecem o café esfriado. São elas que acordam pela manhã as bestas, os homens e as crianças adormecidas». Leia na integra aqui.

Maria Velho da Costa, Cravo, Lisboa, Moraes Editores, 1976.






quinta-feira, 24 de abril de 2014

EXPOSIÇÃO NO PARLAMENTO | «O Nascimento da Democracia» | 16 MULHERES 184 HOMENS




1 -  Alda Nogueira  2  -  Carmelinda Pereira  3 -  Etelvina Lopes de Almeida  4 -  Helena Cidade Moura 5 -  Helena Roseta  6 -  Isabel do Carmo  7 -  Leonor Beleza  8 -  Manuela Azevedo  9 -  Maria Barroso 10 -  Maria de Lurdes Pintassilgo 11 -  Maria Isabel Barreno 12 - Maria Teresa Horta 13 - Maria Velho da Costa 14 - Natália Correia 15 - Sofia de Mello Breyner Andresen 16 - Virgina Moura



Na exposição O NASCIMENTO DA DEMOCRACIA, que pode ser vista no Parlamento, há um um painel com 200 pessoas - 16 são mulheres. As acima referidas.Não se pode deixar de reparar na «desigualdade». Pensamos que faz sentido referi-lo e ao clicar no nome de cada uma delas disponibilizar alguma informação. Sobre as/os escolhidas/os o organizador da exposição - Pacheco Pereira -  em entrevista ao Jornal i disse: 






VISITAS

   Dias úteis: 10h00 | 11h00 | 12h00 | 14h00 | 15h00   |16h00*  (visitas
   guiadas)
   25 de abril: 15h00-17h00 (visitas livres)
   26 e 27 de abril: 10h00-17h00* (visitas livres)
   31 de maio 15h00 | 16h00* (visitas guiadas)
   28 de junho  15h00 | 16h00* (visitas guiadas)

  * Em caso de grupos organizados, é necessária marcação:
     21 391 97 72 |
cic.rp@ar.parlamento.pt

Saiba mais.







quarta-feira, 23 de abril de 2014

NO DIA MUNDIAL DO LIVRO E DOS DIREITOS DE AUTOR 2014 | 23 abril


Hoje, 23 de Abril, celebra-se o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor. A data tem como objetivo «reconhecer a importância e utilidade dos livros, assim como incentivar hábitos de leitura na população». «Chamar a atenção para a importância do livro como bem cultural, essencial para o desenvolvimento da literacia e desenvolvimento económico».A origem da data: «A UNESCO instituiu em 1995 o Dia Mundial do Livro. A data foi escolhida por ser um dia importante para a literatura mundial - foi a 23 de Abril de 1616 que faleceu Miguel de Cervantes e a 23 de Abril de 1899 nasceu Vladimir Nabokov. O dia 23 de Abril é também recordado como o dia em que nasceu e morreu o escritor inglês William Shakespeare».
No site da ONU-  World Book and Copyright Day 23 April  podemos ler:

"Our goal is clear – to encourage authors and artists and to ensure that more women  and men benefit from literacy and accessible formats, because books are our most powerful forces of poverty eradication and peace building". Irina Bokova
E ver a seguinte imagem:

«Women in a camp for internally displaced persons
 in North Darfur are taught to read English by volunteer
 teachers. UN Photo/Albert González Farran»

E saber da  World Book Capital City que este ano é: Port Harcourt (Nigeria). De facto: «Each year, UNESCO and the international organizations representing the three major sectors of the book industry - publishers, booksellers and libraries, select the World Book Capital for a one-year period, effective 23 April each year». 
E nesta atmosfera não é desajustado divulgar a revista seguinte, a que chegámos través da FEMINIST LIBRARY:


Como também faz sentido, em semana do 25 de ABRIL,  retirado do excelente número do JL - Jornal de Letras, Artes e Ideias -  que lhe é dedicado, seguir o texto de HÉLIA CORREIA, e indicar livros:




terça-feira, 22 de abril de 2014

GABRIEL GARCÍA MÁRQUEZ



Na sua morte, não podíamos deixar de nos referir a GABRIEL GARCÍA MÁRQUEZ. Comecemos por duas personagens femininas inesquecíveis, para o que recorremos  aqui: 

Úrsula Iguarán

Macondo é, sem dúvida, o lugar imaginário mais belo da literatura em espanhol. E seu coração é Úrsula Iguarán . Ela fundou Macondo e sua morte, após a inundação dos "quatro anos, onze meses e dois dias", dá início ao declínio da cidade. Curiosamente, García Márquez também morreu em uma Quinta-feira Santa, assim como Úrsula.
Úrsula é exuberante e generosa (adotou os 17 filhos naturais de Aureliano Buendía). É também justa, porém rigorosa e, acima de tudo, tem uma firmeza inabalável: é expulsa de sua própria casa com seus dois filhos, Rebecca e José Arcadio, quando se descobre que são casados, e destitui o prefeito da cidade a chicotadas diante de uma injustiça.

Seu caráter matriarcal, que servirá de apoio ao povoado por mais de 100 anos, é essencial para entender o espírito da obra de García Márquez, mas especialmente a sua opinião sobre as mulheres: nos livros do escritor colombiano elas têm poder, tomam decisões e, sobretudo, são cientes da realidade em torno delas. Já os homens passam o tempo perseguindo fantasias ou em guerras.


Nena Daconte

Quando Macondo foi varrida da face da terra, Gabriel García Márquez teve que recorrer a outras fontes de inspiração para continuar com sua literatura. Em Doze Contos Peregrinos, seu último livro de contos, surge uma mulher, muito longe da imagem bucólica de seu povo imaginário, moderna, educada e com calças: Nena Daconte.
No conto O Rastro do Teu Sangue na Neve, Gabo nos mostra uma mulher que comanda seu destino e que seria capaz de governar o planeta com sua inteligência e doçura.

A brevidade do conto torna essa personagem ainda mais poderosa. Nena Daconte não sobrevive até a metade da história, mas vive a sua agonia com dignidade incrível, que a torna uma personagem inesquecível no vasto legado literário do Nobel colombiano.

Depois, o Discurso aquando da entrega do seu  NOBEL DA LITERATURA:



que pode seguir em texto:

La soledad de America latina

Antonio Pigafetta, un navegante florentino que acompañó a Magallanes en el primer viaje alrededor del mundo, escribió a su paso por nuestra América meridional una crónica rigurosa que sin embargo parece una aventura de la imaginación. Contó que había visto cerdos con el ombligo en el lomo, y unos pájaros sin patas cuyas hembras empollaban en las espaldas del macho, y otros como alcatraces sin lengua cuyos picos parecían una cuchara. Contó que había visto un engendro animal con cabeza y orejas de mula, cuerpo de camello, patas de ciervo y relincho de caballo. Contó que al primer nativo que encontraron en la Patagonia le pusieron enfrente un espejo, y que aquel gigante enardecido perdió el uso de la razón por el pavor de su propia imagen.
Este libro breve y fascinante, en el cual ya se vislumbran los gérmenes de nuestras novelas de hoy, no es ni mucho menos el testimonio más asombroso de nuestra realidad de aquellos tiempos. Los Cronistas de Indias nos legaron otros incontabels. Eldorado, nuestro país ilusorio tan codiciado, figuró en mapas numerosos durante largos años, cambiando de lugar y de forma según la fantasía de los cartógrafos. En busca de la fuente de la Eterna Juventud, el mítico Alvar Núñez Cabeza de Vaca exploró durante ocho años el norte de México, en una expedición venática cuyos miembros se comieron unos a otros, y sólo llegaron cinco de los 600 que la emprendieron. Uno de los tantos misterios que nunca fueron descifrados, es el de las once mil mulas cargadas con cien libras de oro cada una, que un día salieron del Cuzco para pagar el rescate de Atahualpa y nunca llegaron a su destino. Continue a ler por exemplo aqui.

Por fim, remetendo para o Dossiê organizado pelo El País, donde esta imagem:


García Márquez hacia 1972 en Barcelona.

E encerremos com as palavras do Secretário de Estado da Cultura: O secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, considerou  «que as obras e o contributo para a sociedade do escritor Gabriel García Márquez, "um dos mais notáveis escritores do século XX", permanecerão "na memória de todos"». +


segunda-feira, 21 de abril de 2014

«DEBATE SOBRE AS JOVENS MULHERES NAS TICS»| 24 abril 2014 | 14:00H


Primeiro, «International Girls in ICT Day is an initiative backed by ITU Member States in ITU Plenipotentiary Resolution 70 (Guadalajara, 2010) to create a global environment that empowers and encourages girls and young women to consider careers in the growing field of information and communication technologies (ICTs). International Girls in ICT Day is celebrated on the 4th Thursday in April every year». +
Depois,
 
 
CONVITE
 
Debate sobre as Jovens Mulheres nas TIC
 24 abril | 14:00h
Fundação Portuguesa das Comunicações
Entrada livre e não sujeita a inscrição prévia.
Saiba Mais.

«A Fundação Portuguesa das Comunicações (FPC) | Museu das Comunicações, convida-o a participar no debate do Dia das Jovens Mulheres nas Tecnologias de Informação e Comunicação, uma iniciativa criada pela União Internacional das Telecomunicações (UIT).
Os temas deste dia são dirigidos aos interesses e oportunidades das jovens mulheres no domínio das TIC, em particular sobre duas questões Qual a importância da revolução digital para as profissões do futuro? e Será importante haver mais mulheres a trabalhar no sector das TIC para o desenvolvimento sustentável, do planeta…do mundo?

No final da sessão são divulgados os vencedores
do Desafio que a FPC | MC lançou às Escolas e Universidades
  e entregues os respetivos prémios. Todos os trabalhos
vão estar patentes na Fundação.

Veja aqui o Programa».
 
 
 
 

AS MULHERES E O CINEMA | «Cartas a uma Ditadura | 24ABRIL2014 | 18:30H





quarta-feira, 16 de abril de 2014

CONCEIÇÃO LIMA | «em muitos países a literatura permanece como uma instância predominantemente masculina»




Dei comigo a reparar nas palavras da escritora São-Tomense  Conceição Lima num trabalho do Mercado Ético (sublinhados nossos):
«Em Brasília para participar da 2ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, a escritora de São Tomé e Príncipe, Conceição Lima, disse que em muitos países a literatura permanece como uma instância predominantemente masculina e que a ampliação do espaço da mulher é um processo que envolve combate e luta. Conceição Lima, poeta e jornalista é licenciada em estudos afro-portugueses e brasileiros pelo King’s College de Londres.
“É um combate, é uma luta, um processo, e acho que vai haver mais mulheres e elas próprias devem fazer, reivindicar, exigir e afirmar-se para que não seja uma concessão nem um favor, mas para que seja apenas a conquista e realização de um direito”, disse hoje (13) Conceição Lima durante entrevista à Agência Brasil.“Acho que o papel da mulher na literatura é um exercício de cidadania numa dimensão particular. Mas é parte do exercício pleno de cidadania ser escritora, pintora, exercício de cidadania e do ser em plenitude, poder se realizar como criadora”, completou». Continue a ler. E não podiamos deixar passar o momento sem mostrar, ainda que de forma breve, obra de  Conceição Lima:

DESCOBERTA
Após o ardor da reconquista
não caíram manás sobre os nossos campos.
E na dura travessia do deserto
Aprendemos que a terra prometida
era aqui.
Ainda aqui e sempre aqui.
Duas ilhas indómitas a desbravar.
O padrão a ser erguido
pela nudez insepulta dos nossos punhos.


Mais em Vozes Poéticas da Lusofonia, e sobre Conceição Lima aqui.

Pensando bem,  como já dissemos noutras  ocasiões, faz todo sentido no Em Cada Rosto Igualdade olhar para a Lusofonia na ótica da igualdade, nomeadamente de género, e em especial na esfera da cultura e das artes.  E no âmbito da CPLP. Nessa linha,  sobre a 2.ª Bienal do Livro e da Leitura  referida, e através do Portal Brasil | Cultura, podemos saber: «O visitante da bienal também tem a oportunidade de ver duas exposições. O "Traço do Pasquim no Combate à Ditadura" e "O Brasil nos Tempos de Chumbo" estão abertos para visitação. No ano em que o Brasil completa 50 anos do golpe militar, a bienal também trará diversas reflexões sobre os anos de regime ditatorial vividos pelo País. Seminários, debates e lançamentos de livros estão agendados para os próximos dias».
Para mais informação o site oficial da Bienal. E mais este que permite seguir na web muito do que vai acontecendo, mais concretamente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) que  «fará cobertura especial durante todos os dias do evento». 
E do que já lá  aconteceu, por exemplo, «Naomi Wolf fala sobre literatura e feminino», de que podemos ler:   «Um dos tópicos que mais gerou comentários foi orientação política e feminismo. «“Você pode ser de direita ou esquerda e ser feminista. É preciso criar um ambiente onde todas são bem-vindas, unidas por uma causa em comum”, sugeriu, dizendo ainda que é necessário ser crítico e aberto a discussão». Leia mais.


http://www.bienalbrasildolivro.com.br/home

Clique na imagem e vá para o site da Bienal


«STAND WITH WOMEN» | «Stand for equal pay»



terça-feira, 15 de abril de 2014

MARIA DO MAR PEREIRA |«Há mais sexismo nas universidades do que em outras áreas em Portugal»

 

Em Dezembro de 2013 já nos tinhamos referido ao livro da imagem como pode ver aqui. Agora, ficamos a saber que a sua autora, Maria do Mar Pereira, vai receber, em Maio, por esta obra - Fazendo Género no Recreio | A negociação do género em espaço escolar -  o Prémio Internacional para o Melhor Livro em Investigação Qualitativa feito entre 2010 e 2014. E tivemos conhecimento desta distinção  porque a colega Elisa Soares, da BNP, chamou a nossa atenção para uma entrevista da  investigadaora ao jornal Público,  de ontem, disponível aqui.  De lá este excerto:
 
«Se investigasse noutra área, sentiria na mesma discriminação?
Sim. Há mais sexismo nas universidades em Portugal do que em outras áreas, porque são espaços de grande hierarquia, onde não há muita circulação de pessoas, onde as pessoas ficam num cargo décadas. E onde impunemente discriminam sexualmente, assediam sexualmente.
No doutoramento que fez na London School of Economics, escolheu ir para as universidades portuguesas observar como são encaradas as questões de género. O que encontrou?
Em todas as universidades portuguesas, não há uma excepção, existe um discurso oficial e outro nos corredores. Mesmo que, no discurso oficial, se diga que estas áreas são muito importantes, nos corredores, nas reuniões, nas tomadas de decisão, o que se diz é que são umas mulheres ou uns homens homossexuais a fazer uns estudos que não interessam. Há uma coexistência de um discurso oficial que mudou muito nos últimos anos, de abertura e apreço pelo conhecimento, com uma vida informal, não oficial de corredor, de um grande sexismo, homofobia, fechamento e marginalização de uma série de áreas. Por um lado, parece que a situação está melhor, mas ao mesmo tempo está pior, porque torna-se mais difícil chamar a atenção para esse sexismo e esse conservadorismo. Está escondido, não há tantas provas de que, de facto, existe. Um livro que no estrangeiro é reconhecido como o melhor livro, que faz o maior contributo no mundo, em todas as áreas, em Portugal é tratado como uma área menor que só interessa às mulheres.»

 

segunda-feira, 14 de abril de 2014

OLÁ CRIANÇAS ! OLÁ JOVENS ! TALVEZ LHES INTERESSE (30) | «Apoio dos jovens para acabar com extrema pobreza e desigualdade»

 
Children in class at this UNICEF-supported kindergarten in Homs, Syria.
Photo: UNICEF/Shehzad Noorani
 Na quinta-feira passada o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu ação para combater a pobreza e melhorar a educação. «Em discursos realizados em Washington, capital dos Estados Unidos, Ban, ao lado do enviado especial para a Educação Global, Gordon Brown, disse que o tema é uma prioridade pessoal dele».  As Prioridades (destaques nossos): «O chefe da ONU afirmou, a mais de 500 jovens que participaram do evento, que tinha três prioridades em mente quando criou a Primeira Iniciativa de Educação Global, em setembro de 2012. Para Ban o que deve vir em primeiro lugar é colocar todas as crianças em escolas, melhorar a qualidade do ensino e, por fim, fomentar uma cidadania global. O secretário-geral disse que a Coalizão de Emergência para uma Ação de Educação Global representa um grupo de líderes que trabalham junto para acelerar os progressos no setor até o final de 2015. A meta é assegurar que todas as meninas e os meninos estejam dentro de uma sala de aula dentro desse prazo». E sobre a pobreza:  «Na conversa com os jovens, Ban disse que não há nenhuma razão para a pobreza extrema e a desigualdade. O secretário-geral disse que essa geração de jovens pode quebrar o ciclo vicioso da pobreza. Ele disse que conta com o forte engajamento e com a forte liderança da juventude nesse sentido».Ban afirmou que chegou a hora de acabar com a pobreza para sempre, colocando o mundo em um caminho sustentável. Ele pediu aos jovens que assumam o compromisso de trabalhar juntos para um planeta de dignidade e oportunidade para todos». Mais no Mercado Ético.
E leia também no site das Nações Unidas, por exemplo: 


“No girl should be enslaved instead of being in school. No child should be married instead of being in school. No child should be denied an education because his or her country is at war. No child should be targeted for violence because she or he wants to exercise the fundamental right to education,” he stated. “Together, we can change this.” The Emergency Coalition – convened by UN Special Envoy for Global Education, Gordon Brown – calls for four zeroes: zero child marriage; zero child labour; zero discrimination against girls; and zero exclusion from education. Mr. Brown called the current situation “unacceptable from a moral, economic and global security perspective” and stressed the domestic governments and non-governmental organizations must be pushed to honour their commitments to out-of-school children. “We made a promise to children worldwide that they would be in school by 2015,” the former British prime minister stated. “We must now put education on the international agenda in a way that cannot be ignored. Together, we will tackle the key barriers to education – child marriage, child labour and discrimination against girls.”The launch of the Emergency Coalition took place at the 2015 Countdown Summit held in the United States capital to pressure the international community to take action on behalf of children everywhere». Continue a ler.

 
Secretary-General Ban Ki-moon delivers remarks at "learning for all" event at the
World Bank Headquarters in Washington D.C. UN Photo/Mark Garten

sexta-feira, 11 de abril de 2014

«...E agora Maria?»







«Relações Portugal-OIT: promoção do estatuto das mulheres»



Já nos tinhamos referido à iniciativa «Relações Portugal-OIT: promoção do estatuto das mulheres» aquando do Dia das Mulheres de 2014 - 8 março - ocasião   em que foi divulgada. Trata-se da disponibilização online de documentação significativa. Para melhor se perceber a matéria é visitar o site, onde se pode, nomeadamente, ler (destaques nossos):
  
«Relações Portugal-OIT: promoção do estatuto das mulheres é uma das iniciativas do projeto Portugal-OIT - dinâmicas de uma relação, que assinala a relação quase centenária entre Portugal e a Organização Internacional do Trabalho. Este ano, a OIT-Lisboa assinala o Dia Internacional da Mulher (8 de março), disponibilizando elementos significativos dessa relação.
A seleção de documentos que aqui destacamos ilustram a dinâmica de um país que, após a revolução, vê aprovar um conjunto de medidas legislativas com um impacto acentuado no estatuto das mulheres portuguesas. E nesse movimento, a então Comissão da Condição Feminina (CCF) teve um papel de relevo que podemos testemunhar através dos vários documentos e publicações da OIT».

Ilustremos sobre o que se pode encontrar:





Data: 1979
Ref. CID do GEP/MSESS 11708
Descrição: Publicação coletiva resultante de um projeto de investigação desenvolvido por uma equipa de especialistas da OIT e de Portugal na sequência da missão de cooperação técnica da OIT para o Plano de Médio Prazo 1977-1980, para as questões do emprego, rendimentos e necessidades básicas. Nesta missão participou uma especialista em emprego feminino que escreveu o capítulo "Women" da publicação "Employment and basic needs in Portugal". A sua estadia foi acompanhada pela CCF a quem Rolande Cuvillier agradece no artigo pelo apoio prestado. 

Preservar a memória é fundamental, divulgar o património disponível uma obrigação.  No Em Cada Rosto Igualdade a iniciativa da OIT-Lisboa vai ficar referenciada na coluna à direita do blogue em« ENDEREÇOS| Memória e Conhecimento». E parabéns à OIT-Lisboa!



quinta-feira, 10 de abril de 2014

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DOENTES NEUROMUSCULARES | Sexualidade na Deficiência




Comecemos por divulgara a associação apn e o seu site : «A ideia da Associação começou a ganhar forma em Setembro de 1991, quando um grupo de pais sentiu a necessidade de se unir. Nessa altura, a informação existente era muito dispersa e pouco disponível. Começaram então a ser dados os primeiros passos para que a APN fosse oficialmente criada, o que aconteceu a 15 de Junho de 1992.
Desde logo, foi sentida a necessidade de chegar ao maior número de pessoas atingidas. O conhecimento das várias patologias e das suas causas que, na época, começou a dar sinais de evolução, criou nos fundadores uma enorme esperança no futuro. Desenvolveram-se então todos os contactos com a nossa congénere francesa AFM (Association Française contre les Myopathies), já instalada no terreno e com uma experiência direccionada para a investigação e os cuidados às famílias».
Agora, reparemos numa iniciativa recente - a primeira ação vai ter lugar  sábado - que nos foi sinalizada pela colega Mónica Guerreiro da DGARTES: 




«Com base no interesse demonstrado por parte de muitos associados, a APN em colaboração com o Centro Avançado de Sexualidades e Afectos – CASA, realizará várias acções sobre a temática “Sexualidade na Deficiência”.
A primeira acção decorrerá no dia 12 de Abril no Auditório dos Bombeiros Voluntários Portuenses às 15:00 horas». Em cima da hora, mas as/os interessados/as  ainda estarão  a tempo de se inscrever porque o prazo  termina precisamente hoje, dia 10 de abril.

Informações 
 e-mail. através de info@apn.pt 
 telefones -  226 160 568 / 966 264 766



Sublinhe-se que esta será a primeira de várias ações, e  destina-se apenas a participantes do Norte do pais. Há uma segunda ação que decorrerá em maio, em data a definir, para participantes da zona centro e sul do pais.

Mas a apn tem mais atividades, por exemplo, DANÇA ADAPTADA.







«MULHERES DE ABRIL» | Minissérie RTP


A PALAVRA PÚBLICA DAS MULHERES


Da entrevista de Lídia Jorge de 4 de ABRIL 2014
ao Weekend/Negócios

quarta-feira, 9 de abril de 2014

EUGÉNIA LIMA





Eugénia Lima morreu no passado dia 4. No jornal Público pode ler-se:  A acordeonista Eugénia Lima, de 88 anos, morreu esta sexta-feira ao final da tarde, na sua residência, em Rio Maior, disse à Lusa fonte próxima da família. Eugénia Lima, filha de um afinador de acordeões, estreou-se aos quatro anos no Cinema-Teatro Vaz Preto, em Castelo Branco. Profissionalmente, a sua estreia data de 1935, no Teatro Variedades, em Lisboa, no elenco da revista Peixe-Espada. A acordeonista tornou-se um caso de sucesso e, em 1943, começou a gravar a solo, tendo registado ao longo da carreira, mais de uma dezena de discos em que gravou temas populares, de diversos compositores, versões para acordeão e várias composições de sua autoria. Em 1947 venceu o concurso de acordeonistas da Emissora Nacional e, em 1956, fundou a Orquestra Típica Albicastrense. Continue a ler.
Da nota do Secretário de Estado da Cultura, conforme se pode ler aqui: "numa arte tradicionalmente desenvolvida por homens, Eugénia Lima quebrou barreiras e deu uma nova vida à música popular portuguesa, tornando-se numa das suas principais figuras".
"A sua paixão pela arte do acordeão inspirou inúmeros novos artistas que, assim, mantêm viva uma expressão tradicional da Cultura Portuguesa".
Destaquemos as distinções que recebeu, com a  relação tirada deste endereço:
1947 - 1.º Lugar no Concurso de Acordeonistas (Emissora Nacional).
1962 -"Óscar da Imprensa" para a melhor solista de música ligeira.
1980 - Grau de "Dama da Ordem Militar de Santiago de Espada".
1984 - Diploma Honorífico atribuído pela União Nacional dos Acordeonistas de França.
1984 - Condecorada com a Medalha de Mérito Cultural.
1995 - Grau de "Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique".



E uma nota   tendo como fonte as  redes sociais: «Naqueles que foram os últimos dias da sua vida, encontrando-se hospitalizada, Eugénia Lima pediu aos seus familiares que entregassem ao Santuário de Fátima aquele que considerava o seu mais importante acordeão, o que a acompanhara ao longo da sua carreira, em Portuga.l e no estrangeiro. O instrumento, que possui uma extraordinária afinação, resultado da mestria do pai da artista, foi entregue, ao início da tarde de 25 de março, ao Santuário de Fátima, na pessoa do diretor do Museu do Santuário, Marco Daniel Duarte, por uma delegação de cinco pessoas.No momento da oferta, um dos elementos da comitiva, que integrava o sacerdote Aníbal Mota e um primo da artista, realizou uma chamada telefónica para Eugénia Lima na qual a acordeonista disse ao diretor do Museu do Santuário de Fátima que entregava a Nossa Senhora de Fátima o seu “mais importante tesouro”». 
Por fim, uma interpretação numa iniciativa em que Eugénia Lima é homenageada:


E deste modo também a nossa homenagem a Eugénia Lima.



EM 1974 | Um rapaz dançar não era coisas pouca




O trabalho completo foi publicado no Diário de Notícias de 8 de Abril de 2014: