sexta-feira, 28 de abril de 2017

SEGUNDA-FEIRA | 1.º MAIO 2017 | Lembremos o 1.º Maio 1974 | NOS ARQUIVOS DA RTP



1º Maio 1974 em Portugal - foto de Gerald Bloncourt


A fotografia da imagem não é de lá, mas nos  ARQUIVOS DA RTP - um belo serviço público - podemos recordar 1.ºs de Maio passados, nomeadamente o de 1974 - para muitos o Primeiro 1.º de Maio. Passe por lá, e confira. Um pormenor, repare nas entrevistas, mulheres ausentes ... Passados estes anos, nos nossos dias,  encontrar ainda algo semelhante não será difícil.   


   

VIRGÍNIA BAPTISTA | «Proteção e Direitos das Mulheres Trabalhadoras em Portugal 1880 - 1943»






«Este livro apresenta os resultados de uma investigação sobre as políticas públicas em Portugal direcionadas para a regulamentação do trabalho das mulheres e para a proteção da maternidade, no período compreendido entre 1880 e 1943. Este período, em que as mulheres constituíam cerca de 25% da população ativa, foi marcado pelo impulso das associações femininas de socorros mútuos e pela extensão do abono de família aos funcionários públicos. A análise da legislação sobre trabalho feminino e maternidade e a identificação das instituições de cuidados materno-infantis, que constituíram as linhas orientadoras do estudo, revelaram que a proteção materno-infantil emergiu nos contextos da assistência e da previdência social, marca indelével das origens do Estado-Providência para as mulheres trabalhadoras.

O livro procura, assim, contribuir para a história das mulheres, oferecendo um retrato dos meandros da concessão ou da conquista de direitos sociais pelas mulheres, nomeadamente pelas mães trabalhadoras». +.


quinta-feira, 27 de abril de 2017

DO «W20 SUMMIT» | «a governante alemã notou que apesar de quase 50% da população mundial ser feminina, tal não se reflecte no mundo empresarial e laboral»



Veja aqui




Como se pode ver na imagem, nos últimos dois dias, em Berlim, teve lugar o «W20 Summit». Seguindo o que o jornal Negócios escreveu sobre a conferência:

«Junto de Ivanka Trump, filha do presidente norte-americano, e de Christine Lagarde, directora do Fundo Monetário Internacional (FMI), na conferência Women20 (W20), que reúne em Berlim representantes do G20 e organizações internacionais, a governante alemã notou que apesar de quase 50% da população mundial ser feminina, tal não se reflecte no mundo empresarial e laboral.
 Assim, a Alemanha defenderá, na reunião dos dirigentes dos 20 países mais industrializadas em Julho, um novo sistema que facilite o acesso ao crédito por parte das mulheres, uma proposta que deverá ter o apoio de países como Canadá, Estados Unidos e Holanda, segundo Merkel». Leia na integra.



«Dia das Jovens Mulheres nas TIC»






Hoje , dia 27 de abril, comemora-se o  « Internacional Girls in ICT Day 2017». Com isso pretende-se favorecer ambientes que encorajem as jovens a considerar carreiras profissionai s na área das tecnologias de informação e comunicação(TIC). Um pouco mais sobre este dia:
«No dia 8 de abril de 2011, pela resolução 70 da UIT - União Internacional de Telecomunicações, e com o objetivo de defender os interesses e oportunidades das jovens mulheres e incentivá-las a escolher uma carreira profissional neste sector, a UIT estabeleceu o “ GIRLS in ICT Day” (Dia das Jovens Mulheres nas TIC), a ser comemorado todos os anos e mundialmente, na quarta quinta-feira do mês de abril.Este dia foi estabelecido tendo presente a antevisão da crescente necessidade de profissionais no sector das tecnologias de informação e comunicação nos próximos dez anos e a constatação que a escolha da carreira profissional nas TIC era maioritariamente feita por homens, visando assim promover a paridade entre os géneros nas TIC e o crescimento sustentável deste sector». Saiba mais no Girls in ICT Portal.


quarta-feira, 26 de abril de 2017

JOANA BOM |«Refugiados - Entre a Grécia e a Macedónia»


Exposição no Teatro Municipal Joaquim Benite | Almada
Do que pode ver lá em Almada:


























26 de Abril de 1937 | «Guernica»



Una imagen de Gernika, tras el bombardeo del 26 de abril de 1937.
 

«26 de Abril de 1937: Guerra Civil de Espanha. Bombardeamento de Guernica pela força aérea alemã, de Hitler, ao serviço das forças de Francisco Franco.


Guernica, 26 de abril de 1937. É segunda-feira, dia de mercado para os sete mil habitantes da pequena cidade basca. A vida corre com relativa normalidade até que, por volta das 16h30, os sinos da igreja começam a tocar a rebate. Não há tempo para grandes espantos
Cinco minutos depois está um avião a sobrevoar o povoado e a lançar seis bombas explosivas e uma saraivada de granadas. Logo a seguir aparece outro avião. E depois outro. Começava o massacre e um dos episódios mais trágicos da Guerra Civil de Espanha.
No final do ataque aéreo, as esquadras de bombardeiros Heinkel 111 e Junker 52, num total de quarenta aviões, tinham lançado trinta toneladas de bombas e metralhado sem piedade homens, mulheres, crianças e até gado. A cidade estava completamente destruída». Continue a ler no BLOGUE  «Estórias da História».


(Clique na imagem e veja o post)



segunda-feira, 24 de abril de 2017

sexta-feira, 21 de abril de 2017

«Relatório Global sobre os Salários/Desigualdade salarial no local de trabalho»



A súmula começa assim:


Relatório Global sobre os Salários 2016/2017 ‐ Desigualdade salarial no local de  rabalho, da Organização Internacional do Trabalho(OIT) 


 O  Relatório  Global  sobre  os  Salários  –  Desigualdade  salarial  no  local  de  trabalho  da  Organização  do  Trabalho(OIT),  constitui  um  dos  estudos  de  referência  da OIT,  foi  publicado  em  dezembro  de  2016  e  acabou  de  ser  traduzido  para  português.  Esta  edição  de  2016/17  contribui  para  o  cumprimento  das  metas: 
8‐ Tabalho digno e crescimento económico e  10‐Reduzir as Desigualdades da Agenda  2030 do  Desenvolvimento  Sustentável  das  Nações  Unidas  ao  disponibilizar  dados  estatísticos  e  informação  relativa às tendências salariais dos diversos governos.   Este Relatório, divide‐se em três: a 1ª Parte ‐ Principais tendências salariais; a 2ª Parte‐ Desigualdade no  local de trabalho e a 3ª Parte – Resumo e conclusões.   . Continue a ler. 


DOS OUTROS | sobre a igualdade de género na Austrália



Disponível aqui


E o site da WGEA - Workplace Gender Equality Agency - neste endereço.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

SOBRE A LEGALIZAÇÃO DA PROSTITUIÇÃO



Leia aqui


Leia aqui


Leia aqui





LEMBREMOS A AGENDA 2030 | UM ODS DE CADA VEZ | OBJETIVO 3 | «Saúde e Bem-Estar»





Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades

Reconhecendo a relação entre saúde e desenvolvimento sustentável, as novas metas para a promoção de vidas saudáveis para todos e todas objetivam a continuidade e ampliação dos ODM voltados para o combate a doenças como HIV/AIDS, malária, tuberculose, entre outras doenças transmissíveis ou não. Os ODS propõem metas integradas que abordam a promoção da saúde e bem-estar como essenciais ao fomento das capacidades humanas, e estas, por sua vez, são necessárias para a construção de comunidades sustentáveis e resilientes. Veja as metas do objetivo 3.




quarta-feira, 19 de abril de 2017

«CREATING SUSTAINABLE FUTURES FOR ALL»


Disponível aqui.

«In May 2015, the World Education Forum in Incheon (Republic of Korea), brought together 1,600 participants from 160 countries with a single goal in mind: how to ensure inclusive and equitable quality education and lifelong learning for all by 2030?
 The Incheon Declaration for Education 2030 has been instrumental to shape the Sustainable Development Goal on Education to “Ensure inclusive and equitable quality education and promote lifelong learning opportunities for all”.
 It entrusts UNESCO with the leadership, coordination and monitoring of the Education 2030 agenda. It also calls upon the Global Education Monitoring (GEM) Report to provide independent monitoring and reporting of the Sustainable Development Goal on education (SDG 4), and on education in the other SDGs, for the next fifteen years.
The ultimate goal of this agenda is to leave no one behind. This calls for robust data and sound monitoring. The 2016 edition of the GEM Report provides valuable insight for governments and policy makers to monitor and accelerate progress towards SDG 4, building on the indicators and targets we have, with equity and inclusion as measures of overall success.
This Report makes three messages starkly clear.
 Firstly, the urgent need for new approaches. On current trends only 70% of children in low income countries will complete primary school in 2030, a goal that should have been achieved in 2015. We need the political will, the policies, the innovation and the resources to buck this trend.
Secondly, if we are serious about SDG 4, we must act with a sense of heightened urgency, and with long-term commitment. Failure to do so will not only adversely affect education but will hamper progress towards each and every development goal: poverty reduction, hunger eradication, improved health, gender equality and women’s empowerment, sustainable production and consumption, resilient cities, and more equal and inclusive societies.
 Lastly, we must fundamentally change the way we think about education and its role in human well-being and global development. Now, more than ever, education has a responsibility to foster the right type of skills, attitudes and behavior that will lead to sustainable and inclusive growth.
 The 2030 Agenda for Sustainable Development calls on us to develop holistic and integrated responses to the many social, economic and environmental challenges we face. This means reaching out beyond traditional boundaries and creating effective, cross-sectoral partnerships.

A sustainable future for all is about human dignity, social inclusion and environmental protection. It is a future where economic growth does not exacerbate inequalities but builds prosperity for all; where urban areas and labour markets are designed to empower everyone and economic activities, communal and corporate, are green-oriented. Sustainable development is a belief that human development cannot happen without a healthy planet. Embarking upon the new SDG agenda requires all of us to reflect upon the ultimate purpose of learning throughout life. Because, if done right, education has the power like none else to nurture empowered, reflective, engaged and skilled citizens who can chart the way towards a safer, greener and fairer planet for all. This new report provides relevant evidence to enrich these discussions and craft the policies needed to make it a reality for all».

 Irina Bokova Director-General of UNESCO

NO SETOR DO CALÇADO | «o que nós procuramos fazer, no fundo, é promover a igualdade de género»



Lei no jornal Público



E do Expresso, na Plataforma Sapo:
«(...) “O que nós procuramos fazer, no fundo, é promover a igualdade de género. Esta era uma preocupação do setor já há algum tempo e nas últimas negociações fomos sempre promovendo esta aproximação entre os salários de homens e de mulheres e este processo termina agora”, relatou a mesma fonte à agência Lusa, referindo que as mulheres representam cerca de 60% dos trabalhadores. (...)». Leia na integra.



segunda-feira, 17 de abril de 2017

FILME | «Paraíso»


Sinopse
Olga, uma imigrante aristocrática russa e membro da Resistência Francesa, é presa pela polícia nazista por esconder crianças judaicas durante uma invasão surpresa. Como castigo, é enviada para a prisão onde se encontra Jules, um colaborador franco-nazista que é designado para investigar o seu caso. Jules deslumbra-se por Olga e oferece-se para atenuar a sua punição em troca de favores sexuais. Embora Olga concorde, e fará o que for preciso para evitar a dura perseguição, a sua esperança de liberdade desaparece rapidamente quando os eventos tomam um rumo inesperado. Enviada para um campo de concentração, Olga é forçado a uma vida de inferno. Para sua surpresa, ali, cruza-se com o oficial alemão da alta hierarquia das SS, Helmut, que em outros tempos se tinha apaixonado loucamente por ela e que ainda abriga esses sentimentos. Eles reacendem essa velha chama e embarcam num relacionamento retorcido e destrutivo. Helmut resolve resgatar Olga e oferece-lhe uma fuga que ela pensava já não ser possível. No entanto, com o passar do tempo e o destino da derrota nazi, a noção de Paraíso de Olga é irrevogavelmente alterada.Tirado daqui.



«A VIDA IMORTAL DE HENRIETTA LACKS»






«A vida imortal de Henrietta Lacks reconstitui a vida e a morte de uma das mais injustiçadas personagens da história da medicina. O livro demonstra como o progresso científico do século XX deveu-se em grande medida a uma mulher negra, pobre e quase sem instrução. Doadora involuntária da linhagem “imortal” de células HeLa, a mais pesquisada em todo o mundo, a protagonista do premiado livro de estreia de Rebecca Skloot recebe uma merecida e tardia homenagem.
Seu nome de batismo era Loretta Pleasant, e ninguém sabe como se tornou Henrietta. Ela era descendente de escravos e nasceu em 1920, numa fazenda de tabaco no interior da Virgínia. Aos 21 anos, emigrou com o marido, David, seu primo em primeiro grau, para os subúrbios da região de Baltimore. 

Aos trinta anos, mãe de cinco filhos, Henrietta descobriu que tinha câncer. Em poucos meses, um pequeno tumor no colo do útero se espalhou por seu corpo. Ela perdeu rapidamente o vigor, convertendo-se num “espécime miserável”, nas palavras impiedosas do prontuário médico do Hospital Johns Hopkins, onde se tratava e onde veio a falecer, em 1951. 

No Johns Hopkins, uma amostra do colo do útero de Henrietta havia sido extraída sem o seu conhecimento, e fornecida à equipe de George Gey, chefe de pesquisa de cultura de tecidos naquela instituição. Gey demonstrou que as células cancerígenas desse tecido possuíam uma característica até então inédita: mesmo fora do corpo de Henrietta, multiplicavam-se num curto intervalo, tornando-se virtualmente imortais num meio de cultura adequado. Por causa disso, as células HeLa, batizadas com as iniciais da involuntária doadora, logo começaram a ser utilizadas nas mais variadas pesquisas em universidades e centros de tecnologia, nos Estados Unidos e no exterior. 

O surgimento de uma bilionária indústria de medicamentos sintéticos e as fabulosas cifras atualmente envolvidas em pesquisa genética devem-se em grande medida à comercialização das células de Henrietta. A vacina contra a poliomielite e contra o vírus HPV, vários medicamentos para o tratamento de câncer, de aids e do mal de Parkinson, por exemplo, foram obtidos com a linhagem HeLa. Apesar disso, os responsáveis jamais deram informações adequadas à família da doadora e tampouco ofereceram qualquer compensação moral ou financeira pela massiva utilização das células.
Rebecca Skloot tenta reverter esse quadro, compondo um comovente relato da vida e da morte da mulher negra e humilde cujo trágico e precoce desaparecimento mudou a história da medicina. Por meio do estreito contato mantido com filhos, netos e o viúvo de Henrietta durante a pesquisa para o livro, a autora discute com muita lucidez as delicadas e complexas questões éticas e raciais envolvidas na história.
A autora criou uma fundação para onde parte dos proventos deste livro está sendo encaminhada. Para mais informações e para fazer doações, acesse». Leia mais.
.
.        . 

E agora temos o filme com Oprah Winfrey:






A propósito este trabalho no NYT:

Oprah Winfrey on ‘The Immortal Life of Henrietta Lacks’

«(...)
The movie adaptation, which debuts on HBO on April 22, takes a different storytelling approach, focusing on the lives of Lacks’s children, particularly her daughter Deborah, played by Oprah Winfrey. George C. Wolfe, the movie’s director and co-writer, said that he shifted the point of view away from Ms. Skloot (Rose Byrne) to Deborah because he found her to be “a ferociously smart and incredibly creative, brave and daring” woman whose loss put her on a “journey to know her mother in essence to know herself.” He continued, “That felt to me very profoundly intimate and the emotional propulsion necessary to drive a film and have strong enough muscle to hang everything else that developed.”
In a phone interview, Ms. Winfrey, 63, who was also an executive producer on the project, talked about the book’s resonance, her reluctant decision to star in the movie and why sharing the stories of women, particularly of African-American women, has become her life’s work. These are edited excerpts from the conversation. (...)». Leia na integra.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

EXPOSIÇÃO | «Piedade e terror em Picasso: o caminho até Guernica» | MUSEU RAINHA SOFIA | MADRID




«(...)
O museu considera que se trata de “uma grande exposição” que reunirá 150 obras-primas do artista, vindas da coleção do museu e de mais de 30 instituições de todo o mundo, como o Museu Picasso e o Centre Georges Pompidou, de Paris, a Tate Modern, de Londres, o Museu de Arte Moderna (MoMA) e o Metropolitan Museum, de Nova Iorque, entre outros. (...)». Leia mais, no Observador.

«(...)"Antes de 1937, Picasso estava perplexo. Com os acontecimentos [da guerra], o terror, o medo e a morte converteram-se no seu tema. Está presente em algumas das suas obras, como 'As três bailarinas'", disse o comissário da exposição Timothy J. Clark, investigador da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos.
A comissária Anne M. Wagner, também da universidade californiana, destacou os desenhos a vermelho e negro do artista, nos quais aborda a morte de inocentes, até chegar a "Guernica": "Não há homens e essa é a razão por que ['Guernica'] atraiu de forma poderosa o público".
A par da exposição, o Reina Sofia publicará um catálogo, organizado pelos comissários, e um segundo livro com documentação sobre as viagens do quadro, até ao seu regresso a Espanha, em 1981.
Será igualmente criada uma área de consulta sobre a obra, no sítio do museu na internet, no âmbito do Fundo Documental Guernica, do Museu Rainha Sofia.
Quanto ao quadro, que apresenta "algumas fissuras" e "zonas de fragilidade", Borja-Villel disse hoje à imprensa que não será sujeito a restauro. "Estudamos apenas a possibilidade de retirar o verniz", colocado em 1992.(...)». 
"Guernica", pintura a óleo sobre tela, de 349,3cm de altura e 776,6cm de largura, mostra os horrores do bombardeamento à cidade basca de Guernica, por aviões alemães do regime nazi, apoiando o ditador Francisco Franco, em 26 de abril de 1937, durante a Guerra Civil de Espanha, naquele que foi visto como um teste dos bombardeamentos aéreos da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).
Alguns anos antes de morrer, Picasso pediu para que o quadro só fosse devolvido a Espanha quando as liberdades públicas fossem restauradas no país. (,,,)». Leia mais, no DN.






TEATRO | «Migrantes» | NO TEATRO MUNICIPAL JOAQUIM BENITE | ALMADA

Saiba mais

quarta-feira, 12 de abril de 2017

CARMEN CHACÓN | Ex-ministra da Defesa espanhola morre aos 46 anos








Zapatero escreveu um texto comovente a recordar
 a ex-ministra da habitação e defesa: 

«(...)«Zapatero teve 17 mulheres nos seus elencos governativos. Elogia todas, pelo que lutam e lutaram pela igualdade de género. Mas percebe-se que era a “protegida”. E percebe-se porquê: acolheu pastas difíceis em momentos conturbados, mas nunca deixou de ser fiel aos seus princípios e convicções para transformar problemas em soluções.
Exemplos: em 2007, quando agarrou a pasta da Habitação com a bolha imobiliária a rebentar, desenvolveu o projeto público de ajuda ao arrendamento de casas para jovens entre os 22 e os 30 anos, ao mesmo tempo que criou novas e mais céleres formas de resolver os contenciosos em torno do assunto; em abril de 2008, depois de ter a melhor votação desde 1982 nas eleições gerais por Barcelona, tornou-se a primeira ministra da Defesa mesmo estando grávida de sete meses e, ao quinto dia com a pasta, foi visitar as tropas espanholas no Afeganistão. (...).Leia aqui, no Observador.

De outro artigo do mesmo jornal:

Carme Chacón. Os últimos dias da mulher que Espanha ainda chora



“O Centro Cultural Espanhol apresenta a conferência: Mulheres e Política – O Desafio da Igualdade, com Carme Chacón, ex-ministra da Defesa de Espanha”. Na quinta-feira, a advogada marcou presença na Biscayne Boulevard, em Miami, para um colóquio com entrada livre que atraiu o interesse de muitas pessoas. Na véspera, tinha estado em direto no programa de Enrique Córdoba, para a Rádio Caracol 1260 AM, onde tocou um pouco na matéria, entre outros temas. Na palestra, refletiu sobre dois temas: os números da mulher na política e respetivas consequências para alcançar a igualdade de género e a posição da mulher na esfera pública e privada. No final, contou também a sua experiência de vida. Dois dias depois, voltou a Madrid. Foi a sua última viagem: acabaria por falecer no domingo de manhã. E ainda hoje, segunda-feira à noite, se chora a perda. (...). Leia mais.

E ainda:

“Não sacrifiquem a maternidade pelo trabalho, ninguém vos vai agradecer por isso”

Carme Chacón fez um último discurso três dias antes de morrer e as suas últimas palavras em público transformaram-se no seu testamento.Continue a ler.



LEMBREMOS A AGENDA 2030 | UM ODS DE CADA VEZ | OBJETIVO 2 | «Fome Zero e Agricultura Sustentável»



Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável
Durante as duas últimas décadas, o rápido crescimento econômico e o desenvolvimento da agricultura foram responsáveis pela redução pela metade da proporção de pessoas subnutridas no mundo. Entretanto, ainda há 795 milhões de pessoas no mundo que, em 2014, viviam sob o espectro da desnutrição crônica. O ODS 2 pretende avançar nas conquistas alcançadas e o sucesso desse objetivo depende da garantia de que a segurança alimentar seja alcançada por meio de práticas agrícolas sustentáveis e inclusivas. Veja as metas do objetivo 2.


terça-feira, 11 de abril de 2017

Malala mensageira da paz da ONU


Veja aqui



«Malala é a mais nova Mensageira da Paz das Nações Unidas
(...)

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse estar orgulhoso ao designar oficialmente a mensageira  e revelou sua inspiração na dedicação de Malala "servindo os ideais e os objetivos da organização, especialmente na visão do direito dos povos à dignidade."
Meninas e mulheres
Na sua declaração oficial, Guterres exaltou ainda a "coragem admirável" de Malala na defesa de todos os povos, incluindo nos direitos de meninas e mulheres, na educação e na igualdade.
O chefe da ONU disse que a organização honra o fato de Malala ter mostrado, mesmo perante grande perigo, um compromisso com a paz.
Para Guterres, enfoque de Malala tem sido "no melhor da raça humana" e na determinação de um mundo melhor. Ele  agradeceu o seu exemplo que, segundo o secretário-geral, inspirou as pessoas de boa vontade a juntar-se na busca de valores comuns». Continue a ler.



ONU | «envelhecimento populacional e desenvolvimento sustentável»






«(…)
Em comunicado, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que o progresso em oferecer educação sexual e serviços de saúde reprodutiva melhorou as vidas de mulheres e meninas, levando à queda das taxas de natalidade em muitos países.
“Quando essa tendência é acompanhada de investimentos em capital humano, especialmente na juventude, isso pode resultar em dividendo demográfico, acelerando o crescimento econômico dos países”, afirmou.
O dividendo pode ser impulsionado com uma maior participação no mercado de trabalho das mulheres, que precisam ser empoderadas e receber a mesma educação e oportunidades de emprego dos homens, disse Guterres, enfatizando que os homens também têm seu papel, ao compartilhar o trabalho doméstico e as responsabilidades de cuidar de idosos e crianças.
Guterres disse ainda que a migração internacional também pode ajudar a enfrentar os desafios do envelhecimento populacional, ao adicionar trabalhadores à população, reduzindo a idade média. Ele encorajou todos os governos a facilitar processos migratórios seguros, ordenados e regulares». Leia na integra.






segunda-feira, 10 de abril de 2017

«CAMILLE CLAUDEL JÁ TEM UM MUSEU COM O SEU NOME»

Semanário Expresso
de 1 Abril 2017
Da Biografia de Camille Claudel:
«(...)
1893 -1908 : Period of solitary creation
  “I have lots of new ideas that would please you enormously (…) I'm greatly enjoying working (…) As you can see, it’s no longer anything like Rodin (…)” These few lines from a letter written by Camille Claudel to her brother in December 1893 reveal her current state of mind.
Break-up with Rodin
1893: Camille Claudel distances herself from Rodin and isolates herself in her work, exasperated by even the most laudatory critics, who hasten to connect her work with that of her master.  She would never cease to distance herself, to underline her uniqueness and autonomy.  She embarks in new directions and begins her “sketches from life” series inspired by everyday subjects.
Nevertheless, Rodin, at the height of his career, would continue to discreetly support her both financially and within the art world.
In late 1893, Rodin rents the Villa des Brillants in Meudon, to which he moves with Rose Beuret. He would become the owner of the property in 1895.
Rodin succeeds Dalou as president of the sculpture section of the S.N.B.A. and Camille Claudel is made a member. (...) . Continue a ler no site do musseu.


ANA CRISTINA CACHOLA|«Ser feminista e ...»

Leia na integra aqui

sexta-feira, 7 de abril de 2017

«CHILD MARRIAGES»





«The Subcommittee on Human Rights and the Committee on Women’s Rights and Gender Equality will organise a Joint Hearing on Child Marriages on 11 April 2017 from 15.00 to 17.00. Prof Benyam Dawit Mezmur, Chairperson of the UN Committee on the Rights of the Child accepted the invitation to the hearing, together with Mr Fredrik Malmberg, Ombudsman for Children from Sweden, Ms Lakshmi Sundaram, Executive Director of Girls not Brides, UK and other experts.
The practice of child marriage, even if often condemned, remains widespread, with one in three girls under 18 in developing countries affected by it». Tirado daqui.