quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

TEATRO | «O Pai»









SINOPSE
«Não sabe onde deixou o relógio e em que casa está. Suspeita que o andem a roubar e lhe queiram ficar com a casa. O tempo, o lugar, as pessoas, o mundo à sua volta tornam-se cada vez mais estranhos. Quem está esquecido, confuso, errado? O pai? A filha? O genro? Os outros, que aparecem para ajudar?
No labirinto em que a vida se transformou, são muitas as encruzilhadas porque as grandes questões da existência irrompem na normalidade do quotidiano. É preciso encontrar soluções para a perda de autonomia, o desvanecer da identidade e a solidão. E continuar a viver».

ITÁLIA | MAGAZINE «PERIFERIE» | sobre a regeneração das periferias de cidades italianas


Sobre o magazine da imagem conforme se pode ver aqui, no site do G124: 
«Pubblichiamo il numero 1 del magazine PERIFERIE dedicato al primo anno di lavoro del gruppo G124. Aprono i testi del Presidente della Repubblica Giorgio Napolitano e di quello del Senato Pietro Grasso, seguono un intervento del senatore Renzo Piano e i contributi di molti intellettuali che hanno partecipato a quest’anno di lavoro. Tre capitoli sono dedicati ai casi studiati dai sei giovani architetti nelle periferie di Torino, Roma e Catania. Una raccolta dei temi di maturità scritti dagli studenti che hanno scelto la traccia sulle periferie completa l’opera. Buona lettura». 
Uma experiência com que se pode aprender. E chegamos a ela porque (destaque nosso): «O mobiliário utilizado na exposição que representou Portugal na 15ª Bienal de Arquitetura de Veneza foi doado à rede ORMA - Officina Riuso Marghera. A ORMA nasceu em 2016, de uma colaboração com o Gruppo G124 Marghera, do Arquiteto Renzo Piano, que trabalha a regeneração das periferias das cidades italianas» - Tirado daqui. 

E uma boa ocasião para lembrarmos a exposição que representou Portugal em Veneza -«Neighbourhood - Where Alvaro meets Aldo» :


Veja aqui
e aqui também

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

NAÇÕES UNIDAS | «WORLD DATA FORUM» | «Para alcançar a Agenda 2030, com seus 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, o mundo precisa de dados. Eles ajudam na tomada de decisão e na informação para as políticas públicas, assegurando que todas as pessoas sejam levadas em consideração»|TERMINA HOJE NA CIDADE DO CABO





O site do Forum aqui
O World Data Forum termina hoje na Cidade do Cabo, África do Sul. Sobre o Forum,da ONU BRASIL:


«Fórum da ONU na África do Sul discute importância das estatísticas para atingir objetivos globais


O Fórum Mundial de Dados da ONU teve início no domingo (15) na Cidade do Cabo, na África do Sul, reunindo mais de 1,5 mil especialistas de mais de 100 países, com o objetivo de construir um amplo consenso sobre como aproveitar o poder das estatísticas para a construção do desenvolvimento sustentável. 
.............
“O fórum ocorre em um momento crucial para o fortalecimento da capacidade estatística e de dados globalmente. Países do mundo todo estão se mobilizando para atingir a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, adotada em uma cúpula da ONU dois anos atrás”, disse o subsecretário da ONU para assuntos econômicos e sociais, Wu Hongbo, em coletiva de imprensa na abertura do evento. 
“Para fazê-lo, é essencial ter dados precisos, confiáveis, desagregados e oportunos. Precisamos acompanhar a série de metas econômicas, sociais e ambientais que fazem parte do desenvolvimento sustentável. Isso irá demandar de todos na comunidade estatística e de dados — de governos ao setor privado, às comunidades científicas e acadêmicas e à sociedade civil — encontrar formas de trabalhar entre diferentes domínios e criar parcerias e sinergias”, acrescentou». Leia na integra». Leia na integra.

legendado em português


«Arts et Jeux de Genre»





terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Maria Cabral






Morreu Maria Cabral, "rosto e símbolo" do Cinema Novo 
«(...)

O Cerco “é um filme que inventa uma coisa raríssima no Cinema Português que é um rosto, que é o rosto da Maria Cabral, que é o rosto do desencanto do marcelismo”, atesta o crítico de cinema do Expresso Jorge Leitão Ramos em Chamo-me António da Cunha Telles (2010), de Álvaro Romão. “Fiz a música baseado na cara da Maria Cabral”, admite no mesmo documentário o compositor António Victorino de Almeida, sobre o filme que teve um eco significativo na sociedade portuguesa e nas bilheteiras tanto nacionais quanto, por exemplo, francesas.
Feito com grandes dificuldades de financiamento, foi seleccionado para a Semana da Crítica do Festival de Cannes e recebeu vários prémios em Portugal. Maria Cabral foi capa em vários títulos da imprensa, cinematográfica, generalista e até da edição francesa da revista de modaElle, segundo contou o realizador. (...)». Leia na integra, no Público.


«eles é que estão nas chefias»



«(...)
Graça Franco vê o caso das mulheres jornalistas como algo que acontece em todo o país, em outras profissões. "Vem da maneira como não se marcam horas para reuniões, se estou no trabalho das seis à meia-noite é que sou dedicado", analisa."Pactuamos com esta visão masculinista, produtivista e utilista, que dá cobertura a este estado de coisas", critica a responsável editorial.

"Somos culpados por não levantar estes temas, somos cúmplices desta visão pretensamente feminista", considera Graça Franco. "As mulheres precisam de estar grávidas e temos de lutar pelos nossos direitos", diz a diretora da rádio, mãe de cinco filhos. "Depois exigi a minha reintegração plena", completa. (...)». Leia na integra, no DN .






segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

“É imperativo que o mundo responda aos perigos expostos por essas condições meteorológicas extremas com ajuda alimentar, abrigos e outros recursos a curto e longo prazo”






«A Organização Internacional para as Migrações (OIM) pediu na quarta-feira (11) ações imediatas para dar apoio aos milhares de migrantes e requerentes de asilo que estão enfrentando temperaturas congelantes na Europa e no Mar Mediterrâneo.
Segundo a OIM, pelo menos seis pessoas – três migrantes na Bulgária, um na Grécia e dois refugiados no Líbano – perderam a vida ao serem expostas as maiores nevascas e temperaturas geladas dos últimos anos.
A agência da ONU também registrou mortes devido ao frio em Roma, na Itália, e na Península Balcânica.
“É imperativo que o mundo responda aos perigos expostos por essas condições meteorológicas extremas com ajuda alimentar, abrigos e outros recursos a curto e longo prazo”, ressaltou o diretor da OIM, William Lacy Swing.
A OIM também está preocupada com mais de 15,5 mil migrantes abrigados nas ilhas gregas, especialmente os que estão em locais atingidos por nevascas.
Além disso, a agência alertou que 6 mil refugiados sírios estão sem abrigo adequado para o inverno na Turquia, e a mesma situação está sendo enfrentada por 7,5 mil migrantes na Sérvia.
No ano passado, o ano mais mortífero para os migrantes registrados pela OIM na região, pelo menos 5 mil pessoas perderam a vida enquanto tentavam atravessar o Mar Mediterrâneo com esperança de chegar às costas europeias». Daqui.


«Centre for the Study of Women and Gender (CSWG) »



Veja aqui


«No dia 27 de dezembro de 2016, foi formalizado um Protocolo entre a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG), representada pela sua Presidente, Dr.ª Teresa Fragoso, e o Centre for the Study of Women and Gender (CSWG) da Universidade de Warwick, no Reino Unido, representado pela Doutora Maria do Mar Pereira

Através do presente Protocolo pretendem, as duas entidades, estabelecer formas de colaboração na área da consultoria académica, dinamização de atividades de promoção da cidadania e igualdade na educação, bem como nas restantes áreas de intervenção prioritária, representando um reforço para a investigação na área dos Estudos de Género, bem como um fortalecimento na troca de experiências entre Portugal e o Reino-Unido neste campo de intervenção». Tirado daqui.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

EXPOSIÇÃO DE ADALRICH MALZBENDER | «Do outro lado do caminho: ciganos do Alto Alentejo»| GALERIA DO TEATRO MUNICIPAL DE ALMADA






«A primeira exposição deste ano é inaugurada no próximo dia 14 de Janeiro, às 17h. Intitulada Do outro lado do caminho: ciganos do Alto Alentejo, de Adalrich Malzbender. Trata-se de um conjunto de fotos.
Esta exposição da autoria de Adalrich Malzbender é composta por fotografias tiradas nos últimos 30 anos a comunidades de ciganos do Alto Alentejo, com quem o fotógrafo privou de forma regular. O artista pratica exclusivamente a fotografia analógica, revelada por ele próprio e sem intervenção digital.

A exposição ficará patente ao público até dia 26 de Março e pode ser visitada na Galeria do Teatro Municipal Joaquim Benite, de Quinta a Sábado, das 19h às 21h30, e Domingos das 15h às 19h30. Estará ainda aberta em todos os dias em que haja espectáculo, a partir das 19h». Veja mais.

PRÉMIOS ARCO-IRIS 2016 | Entregues amanhã dia 14 jan 2017






«Os Prémios Arco-íris 2016, uma iniciativa da ILGA Portugal, serão entregues este sábado, dia 14 de janeiro de 2017 no Estúdio Time Out – Mercado da Ribeira, a partir das 21h30, numa cerimónia conduzida por Rita Ferro Rodrigues e que contará com a participação musical de Rita Redshoes e Carlos Costa.
 A 14ª edição destes Prémios celebra, uma vez mais, pessoas e instituições que se distinguiram ao longo do ano de 2016 na luta contra a discriminação em função da orientação sexual e da identidade de género».



quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

DISCURSOS FEMINISTAS DE 2016

Veja aqui

ENNIO MORRICONE|«É muito importante que um público não seja o rico»





A notícia já tem algum tempo, mas não perdeu atualidade: algumas das músicas mais conhecidas de Ennio Morricone, compositor italiano vencedor de dois Óscares, foram interpretadas  no Vaticano, diante de uma audiência que incluiu centenas de pessoas excluídas socialmente, sentadas nas primeiras filas.
Sobre a iniciativa podemos ler aqui, na Pastoral da Cultura. De lá:
«(...).Esta segunda edição do “Concerto para a Caridade”, organizado pela ONG “Nova Opera”, pela diocese de Roma e pelo Conselho Pontifício para a Nova Evangelização, entre outros organismos, marca as últimas celebrações do Jubileu Extraordinário, que se conclui a 20 de novembro.
No final do concerto, os jovens do Coro da Diocese de Roma e os voluntários do Jubileu distribuíram uma refeição e uma pequena lembrança para as pessoas carenciadas.
Enio Morricone destacou o desejo de Francisco de que o concerto fosse dedicado aos mais necessitados: «É muito importante que um público não seja o rico, mas um público sem dinheiro que possa assistir e escutar esta música, com este Coral, com esta Orquestra, é algo que gosto muito de fazer».



terça-feira, 10 de janeiro de 2017

«Força de trabalho global conta com 150 milhões de migrantes, diz estudo da OIT»






«Força de trabalho global conta com 150 milhões de migrantes, diz estudo da OIT

Documento fornece dados detalhados sobre mão de obra e migração para formuladores de políticas públicas. Estudo da Organização Internacional do Trabalho mostra que a grande maioria dos migrantes muda de país em busca de melhores oportunidades de emprego. Agência da ONU também alertou para desigualdade de gênero no trabalho doméstico, setor que possui globalmente 17% de migrantes». Leia mais na ONU Brasil.




«um novo tipo de esclavagismo»



Leia na integra no Público online: aquineste endereço; mais neste;
 e ainda este editorial

sábado, 7 de janeiro de 2017

Mário Soares







Homenageemos, também nós,   Mário Soares. Duma maneira muito simples: «visitando» a sua Fundação. De lá escolhemos o texto  "A Mulher nas Religiões". Excertos:
«(...)
2. É um tema difícil, sobretudo para mulheres socialistas que, por definição, são favoráveis à igualdade de género, conforme reza a Declaração Universal dos Direitos Humanos, porventura o texto legal mais importante subscrito no século XX e um dos mais importantes da história humana. 
3. Declaração que foi elaborada e votada pelas Nações Unidas, em Dezembro de 1948, exactamente, a pensar nas pessoas - na dignidade e na igualdade das pessoas humanas - independentemente da cor, do sexo, da condição social, da opção política ou da orientação sexual.  (...)
9. As religiões - as três grandes religiões monoteístas, pelo menos, as Religiões do Livro - foram reveladas por Deus aos homens e, portanto, cada uma tem a sua verdade, em que os crentes acreditam, como um dogma. O diálogo entre elas é, por isso, difícil, mas não é impossível. O diálogo ecuménico (universal, mas, para os católicos, abrangendo apenas as religiões cristãs) tem vindo a desenvolver-se, com progressos sensíveis, em busca do que lhes é comum, para encontrar os caminhos da paz. Um bom exemplo são os Encontros Ecuménicos, organizados todos os anos pela Comunidade de Santo Egidio. Na situação em que se encontra o Mundo, de hoje, o pior que nos podia acontecer era voltarmos às guerras religiosas do passado, com cruzadas de sentido contrário, visto que tornariam as relações inter-religiosas praticamente impossíveis. Cairíamos, assim, no "Choque de Civilizações", que profetizou Samuel Huntington num livro com o mesmo nome.
 10. As religiões em geral coincidem no amor a Deus - o único e verdadeiro, qual? - E através dele (Deus) coincidem também no amor ao próximo. Mas que próximo? Os fieis ou também os infieis ou os hereges? Os homens (a que se referem especialmente os textos bíblicos) ou também as mulheres, que fizeram comer o fruto proibido? As mulheres fruto do pecado original (Génesis). (...)».  Leia na integra.


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

«CAPITAL IBERO-AMERICANA DA CULTURA | Lisboa 2017»



Veja aqui


Sobre a Capital Ibero-Americana da Cultura/Lisboa 2017, programada por António Pinto Ribeiro, do jornal i, de 4 JAN 2017  (destaques nossos):
«(...)
 E a reflexão da qual nos temos alheado e que vem agora com oportunidade perfeita, com uma programação enquadrada em quatro temas fundamentais: a questão indígena, a questão das migrações, a questão da afrodescendência e a criação contemporânea, que serão "vias de acesso a muitas das obras" que passarão por Lisboa ao longo deste ano. O RACISMO E O FIM DO PARAÍSO A inaugurar já a 7 de janeiro no Padrão dos Descobrimentos, por exemplo, a exposição "Al Final Del Paraíso" do mexicano Demián Flores, cujo trabalho se tem caracterizado pelo diálogo com o contexto socio-político do lugar de onde vem, que é o Sul do México, com o contexto histórico as descobertas do século XVI e o aparecimento daquele a que se chamou então de "novo mundo". Ou mais tarde, em maio, a exposição "Racismos" com curadoria científica e investigação de Francisco Bethencourt para discutir a relação entre racismo e cidadania nos seis séculos que passaram entre 1497 e o presente, juntamente com o seminário "Racismo e Cidadania", com com Jorge Vala e Teresa Beleza a 13 de maio no São Luiz Teatro Municipal. O mesmo onde no próximo fim de semana atuam Gisela João com Mariela Condo, do Equador, e Martela Condo, do Panamá. Entre as exposições, destaque ainda para "Shadows", de Aldredo Jaar, nome incontornável da arte contemporânea chilena pelo reconhecido caráter interventivo e político das suas obras, que aqui nas Carpintarias de São Lázaro apresenta uma homenagem a Koen Wessing, fotógrafo sueco que em 1978 em Esteli, Nicarágua, registou o momento em que um grupo de camponeses que carregavam o corpo de um companheiro morto pela guarda nacional do ditador Somoza. No teatro, chega-nos noutro exemplo "Mateluma", do Chile, uma peça sobre a ética da violência politica e sobre os conceitos da verdade e da inspiração artística, com encenação de Guillermo Calderón. Ou "Poesia na Esquina do Bairro", sessão de divulga- ção da poesia latino-americana com coreografia de Adriana Queiroz e participação de João Grosso, José Neves e Manuel Coelho. (...)».


DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ORGANIZADOR DA AÇÃO CULTURAL EXTERNA


Leia na integra aqui

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

ESTRATÉGIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL| «para projetar uma sociedade mais inovadora, inclusiva e empreendedora, estimulando o debate público sobre os valores associados ao Desenvolvimento Sustentável».



Disponível aqui

«(...)
Assim, a aposta numa Estratégia Nacional de Educação Ambiental 2020 é a garantia para projetar uma sociedade mais inovadora, inclusiva e empreendedora, estimulando o debate público sobre os valores associados ao Desenvolvimento Sustentável. É neste contexto que o XXI Governo Constitucional deu início a este processo participativo para a construção de um verdadeiro compromisso nacional. Este é um processo ímpar de participação que pretende facilitar uma efetiva apropriação e responsabilização da sociedade civil nas ações que vão concretizar a ENEA 2020. O presente documento estabelece as orientações gerais para a definição da ENEA 2020, em especial a visão, os princípios, os eixos temáticos e as recomendações, que se pretende colocar a consulta pública até ao final do primeiro trimestre de 2017».


PRIORIDADES PARA 2017 | Paridade nas empresas, progressos na integração de imigrantes e refugiados

Do jornal Público
de 2 JAN 2017 em
As prioridades dos ministros
 (que vamos cobrar-lhes no fim do ano)

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

«um mundo que poucos conhecem»



 «são as imagens de Jorge Bacelar, um veterinário da Murtosa apaixonado pela fotografia. Premiado lá fora, ele fotografa cá dentro o mais genuíno».




ANTÓNIO GUTERRES|«Façamos de 2017 um ano de Paz»






«Neste primeiro dia como Secretário-Geral das Nações Unidas, há, sobretudo, uma pergunta que me assalta a consciência:
Como ajudar os milhões de seres humanos vítimas de conflitos e que sofrem enormemente em guerras que parecem não ter fim?
Populações civis em vários pontos do globo são destroçadas sob a mais letal violência. Mulheres, crianças e homens são mortos ou feridos, vendo-se forçados a abandonar os seus lares, tudo perdendo. Até mesmo hospitais e comboios humanitários são atingidos sem consideração.
Nestas guerras não há vencedores; todos perdem. Gastam-se bilhões de dólares na destruição de sociedades e economias, alimentando ciclos de desconfiança e medo que podem perpetuar-se por gerações. Vastas regiões do planeta estão inteiramente desestabilizadas e um novo fenômeno de terrorismo global ameaça a todos.
Neste primeiro dia do Ano, peço a todos que partilhem comigo um propósito de Ano Novo:
Façamos da Paz a nossa prioridade.
Façamos de 2017 um ano em que todos – cidadãos, governos, dirigentes – procurem superar as suas diferenças.  
Seja através da solidariedade e da compaixão nas nossas vidas quotidianas, seja através do diálogo e do respeito, independentemente das divergências políticas. Seja por via de um cessar-fogo num campo de batalha ou mediante entendimentos conseguidos à mesa de negociações para obter soluções políticas.
A procura do bem supremo da Paz deve ser o nosso objetivo e o nosso princípio orientador.
A dignidade e a esperanca, o progresso e a prosperidade – enfim tudo o que valorizamos como família humana – depende da Paz.
Mas a Paz depende de nós.
Apelo a todos para que partilhem comigo este compromisso para com a Paz hoje e todos os dias.
Façamos de 2017 um ano de Paz.
Obrigado». Tirado daqui.


terça-feira, 3 de janeiro de 2017

«A(s) Problemática(s) da Natalidade em Portugal»



«Em janeiro de 2015 realizou-se no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa a Conferência Internacional «A(s) Problemática(s) da Natalidade em Portugal: Uma Questão Social, Económica e Política», uma organização conjunta do Observatório das Famílias e das Políticas de Família do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, da Associação para o Planeamento da Família e do Instituto de Políticas Públicas Thomas Jefferson-Correia da Serra. 
Foram dois dias de debate intenso e aprofundado que juntou peritos, académicos e políticos, trazendo perspetivas multifacetadas e complementares sobre a natalidade portuguesa, hoje uma das mais baixas da Europa e do mundo: da perspetiva demográfica à sociológica, da económica à política, da médica à jurídica.

A presente publicação emana desta Conferência. Reunindo mais de três dezenas de textos (uns inéditos, redigidos pelos autores para este efeito, outros mais próximos das contribuições originais), esta publicação tem como objetivo dar a conhecer ao público interessado os pontos de vista, as reflexões e o debate que então tiveram lugar em torno da(s) problemática(s) da natalidade. Mas também pretende constituir uma ferramenta de trabalho e reflexão adicional, permitindo informar a decisão política, legislativa ou técnica». 
Saiba mais.

MAIS UMA | Onde mulheres não entraram ...


sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

BOM ANO DE 2017


Society of Women Artists





«HERstory» | Exposição em NY lembra papel das mulheres na história da ONU

Tirada daqui, onde se pode ver mais 


«As Nações Unidas promoveram este mês em sua sede em Nova York uma exposição de fotos e documentos sobre o papel das mulheres na Organização. Denominada HERstory, a mostra teve entre seus destaques a atuação da cientista e diplomata brasileira Bertha Lutz, cujo trabalho foi importante para garantir a menção à igualdade de gênero na Carta da ONU em 1945». Leia na integra, na ONU Brasil.



quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

O QUE ESPERAR DE 2017 | Mais mulheres a opinar no espaço público



Tirada daqui



A propósito:
OPINIÃO

Eu vi 2017, e vai ser só homens

Digam comigo: queremos mais opiniões de mulheres no debate público português e de jovens e minorias.

De todas as previsões para o próximo ano, aquela em que tenho menos medo de errar é na seguinte: no próximo ano vamos passar muito tempo em salas de conferência, estúdios de televisão e páginas de publicações discutindo o futuro de Portugal, da Europa e do mundo, e vamos ser quase sempre só homens brancos de meia-idade ou mais velhos. Quem reclamar vai ser considerado irritante.
Os debates serão longos, chatos e sem novidade. Um dos homens de meia-idade suspirará pelo tempo em que não havia euro, outro pelo tempo em que não havia UE, e uma das perguntas do público será de um homem com saudades do tempo em que não havia imigração. A época por que se suspira será determinada pelo conteúdo dos livros que o homem em causa terá lido quando estava na licenciatura. A prioridade será regressar à normalidade que neles era descrita para que o homem possa explicar as receitas e soluções que já conhece de cor».  Continue a ler.

FRANÇA | MINISTÉRIO DA CULTURA E DA COMUNICAÇÃO | Os eixos organizadores para mais igualdade entre homens e mulheres

































terça-feira, 27 de dezembro de 2016

CRISTINA NORTON | «O Rapaz e o Pombo»



SINOPSE
A história, passada entre os anos 1930 e 1958, gira à volta de três personagens. A principal é um rapaz judeu, que descobre o ódio, o desalento, a ternura e o amor à vida. As personagens à volta dele representam todas as pessoas que passaram por uma das maiores injustiças de todos os tempos. Cristina Norton sentiu também que tinha o dever de escrever e denunciar o que por vergonha as mulheres que haviam sido obrigadas a prostituir-se nos campos de concentração não ousavam contar. Saiba mais.
E uma entrevista com a autora no Jornal de Letras: