segunda-feira, 31 de julho de 2017

ANTÓNIO REIS | «poemas quotidianos»




SINOPSE
POEMAS QUOTIDIANOS, O LIVRO DO POETA E CINEASTA ANTÓNIO REIS 
ESGOTADO HÁ DÉCADAS, É O NOVO VOLUME DA COLECÇÃO DE POESIA
 DE PEDRO MEXIA. 
«O Portugal dos anos 50 e da transição para a década seguinte é um país em que amplos 
sectores da população vivem no limiar da pobreza ou numa apertada mediania. É essa a 
realidade que, em larga medida, se espelha nos poemas elípticos de António Reis, alheios 
à ênfase retórica e ao tom protestário da lírica de alguns dos seus contemporâneos, e que, 
antes, atentam nos pequenos nadas do quotidiano, na banalidade de um dia-a-dia de 
limitados horizontes. Os textos falam de gente que passaja, vira, ou tinge a roupa, ou a 
deixa, depois de lavar, a enxugar de noite, para a vestir de novo de manhã quando vai 
para o trabalho. 
Tudo isto numa linguagem simples, de ‘poucas palavras’, como um cineasta seu amigo, 
um dia, dele disse, uma simplicidade construída, acrescente-se, e em que 
se conta com a cooperação do leitor para completar ou preencher o que apenas 
é entremostrado ou sugerido.» —Fernando J.B. Martinho.Saiba mais.




Pg. 24



Sem comentários:

Enviar um comentário